AMÉRICA LATINA

EUA impõem sanções a chanceler venezuelano, que fala em "desespero" de Washington

Nesta quinta-feira (25), Arreaza denunciou na ONU bloqueios econômicos que país norte-americano impõe à Venezuela

Pelo Twitter, chanceler afirmou que sanções "confirmam" que Venezuela está no "caminho certo", e chamou a medida de "desespero" dos EUA / Reprodução

O governo dos Estados Unidos impôs nesta sexta-feira (26) sanções ao ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, após declaração do chanceler na ONU. 

Além de Arreza, a juíza Carol Bealexis Padilla de Arretureta também foi sancionada. As sanções bloqueiam propriedades ou interesses nas propriedades dos funcionários venezuelanos que estão nos EUA ou na posse de pessoas no país. 

Na quinta-feira (25), Arreaza denunciou na ONU, em Nova York, os bloqueios econômicos que o país norte-americano impõe à Venezuela. 

Pelo Twitter, o venezuelano afirmou que as sanções "confirmam" que a Venezuela está no "caminho certo",  e chamou a medida de "desespero" da gestão Trump.

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, disse, em comunicado oficial, que "[Os EUA] continuarão a visar os funcionários do Maduro, incluindo aqueles encarregados de conduzir a diplomacia e realizar a justiça em nome deste regime ilegítimo". 

Esta nova sanção contra o diplomata venezuelano se junta às já impostas a pelo menos 70 funcionários, ministros e governadores do governo venezuelano. 

(*) Com teleSur.

Edição: Opera Mundi