"Contingenciamento"

Fernando Haddad: "A direita tem alergia à educação”

Durante entrevista coletiva, petista criticou cortes de 30% em verbas destinadas a universidades e institutos federais

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,
Para ex-ministro da Educação, "a extrema direita tem dificuldades em formar pessoas autônomas" / Heuler Andrey/AFP

O ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) criticou nesta quinta-feira (9) os cortes de verbas destinadas às universidades e aos institutos de ensino federais anunciados pelo governo de Jair Bolsonaro e afirmou que “a direita tem alergia à educação”. 

“Todo mundo que conhece a história do Brasil sabe que a educação superior é um problema para governos conservadores ou reacionários. A direita tem alergia à educação, sobretudo superior, porque é ali que a pessoa desenvolve senso crítico sobre as coisas e ganha autonomia”, afirmou Haddad durante entrevista coletiva realizada em Vitória (ES). 

Ainda segundo ele, “a extrema direita tem dificuldades em formar pessoas autônomas. Todas as coisas que podem fazer as pessoas pensarem, e não serem só mão de obra barata no mercado, é um problemas para eles. Tem sido assim ao longo da história do país”. 

No final de abril, o ministro da Educação de Bolsonaro, Abraham Weintraub, anunciou que cortaria em 30% a verba de “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico”, estivessem “fazendo balbúrdia”, disse à época. Em um primeiro momento, a redução dos repasses atingiria somente as Universidades Federal da Bahia (UFBA), Nacional de Brasília (UnB) e Federal Fluminense (UFF). 

Mais tarde, em 30 de abril, o Ministério da Educação (MEC) anunciou que o corte seria expandido a todas as universidades e institutos federais. O corte irá atingir mais de 60 universidade e cerca de 40 institutos espalhados por todos os estados do Brasil. 

Para Haddad, o governo Bolsonaro encara como problema o fato de que as universidades não são mais formadas apenas por uma “elite branca”. Segundo ele, “você tem de tudo na universidade. Agora o Brasil está lá. O Brasil se enxerga mais hoje. Ainda tem chão pela frente, mas nós nos enxergamos bem mais, enquanto nação, na universidade”. 

Durante sua ida a Vitória, Haddad visitou o campus da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), onde também criticou Bolsonaro durante um discurso dirigido aos estudantes. 

“A primeira grande derrota do Bolsonaro vai ser devolver cada centavo que tirou da educação. Cada centavo que tirou dessa federal. E se demorar, vai ter que pagar com juros”, disse. 

Edição: Aline Carrijo