EQUADOR

Deputados bolivianos escrevem a Lenín Moreno pedindo absolvição de Ola Bini

Ativista de software livre passou mais de 70 dias preso no Equador sem que qualquer acusação formal fosse apresentada

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Bini é autor de livros sobre privacidade online / Foto: Free Ola Bini/Reprodução

A Câmara dos Deputados da Bolívia, conhecida como Assembleia Legislativa do Estado Plurinacional, enviou uma carta ao presidente equatoriano, Lenín Moreno, manifestando preocupação com a situação do ativista digital sueco Ola Bini.

A mensagem, assinada por sete deputados bolivianos, aponta que toda situação "é uma grave violação aos direitos humanos" e pede a "imediata absolvição de Ola Bini".

O programador e ativista digital ficou preso por 70 dias sem que qualquer acusação formal fosse apresentada. Residente no Equador, Bini estava indo ao Japão para um evento internacional quando foi detido, no mesmo dia em que Julian Assange, do Wikileaks, de quem é amigo.

Sem crime nem acusação, ele foi detido preventivamente pelo que Moreno qualificou como "ataques à integridade de sistemas informáticos" do país, sem qualquer espécie de provas.

Em 21 de junho, ele teve seu habeas corpus concedido, mas foi proibido de deixar o país até o fim das investigações.

A carta aponta também que o caso tem chamado atenção de diversas personalidades internacionais e organizações que defendem a liberdade de expressão, como a Artigo 19 e a Anistia Internacional, e ressalta que Ola Bini é conhecido por seu trabalho no desenvolvimento de sistemas que protegem a privacidade de usuários.

 

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira