Surto

OMS declara estado de emergência de saúde global por causa do novo coronavírus

Com a medida, organização se une a governos para traçar plano de combate à doença; até agora, são quase 8 mil casos

Brasil de Fato | Brasília (DF) |

Ouça o áudio:

China registrou todas as 171 mortes pela doença até agora, de acordo com a OMS
China registrou todas as 171 mortes pela doença até agora, de acordo com a OMS - Dale de La Rey / AFP

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou estado de emergência de saúde pública global com o surto do novo coronavírus na China, na tarde desta quinta-feira (30). Até o momento, são quase 8 mil casos confirmados, com 171 mortes -- todas em território chinês. Fora de lá, são 98 pessoas contaminadas, em 18 países, segundo a OMS.

Na prática, a declaração representa que há um risco de saúde mundial. A partir do decreto de estado de emergência, a organização se unirá a autoridades e governos para traçar um plano de ação coordenado de combate à doença.  

:: Veja o que se sabe e o que ainda é incerto sobre o surto do coronavírus ::

Ao anunciar a declaração, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que confia na capacidade da China de controlar o surto. “Nós queremos que vocês saibam que o mundo todo está com vocês”, disse.

Provas científicas

Ghebreyesus pediu para que os países sigam à risca as recomendações da OMS, sempre baseadas em provas científicas e não em suposições. “Pedimos que todos os países implementem as decisões baseadas em provas. A OMS está pronta para aconselhar qualquer país que esteja avaliando.”

Segundo o diretor-geral, as relações internacionais de comércio e turismo não devem ser afetadas com a declaração de emergência. “Não há razão para medidas que interfiram diretamente em viagens internacionais e comércio. A OMS não recomenda a limitação do comércio ou de movimento neste momento.”

:: Coronavírus: os interesses de poder por trás de questões humanitárias ::

Ghebreyesus ressaltou que, neste momento, é necessário um esforço mundial para combater a desinformação e as fake news.

“A única forma para derrotar esse surto é com todos os países trabalhando juntos com espírito de solidariedade e cooperação. Só podemos interromper esse surto juntos. É hora dos fatos, não do medo. É a hora da ciência, não de rumores. É a hora da solidariedade, não do estigma.

Edição: Camila Maciel