Alerta

Ministério da Saúde eleva para 12 os casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil

Governo brasileiro afirmou que, mesmo com a declaração da OMS de emergência global, condutas no país seguem as mesmas

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
Executivos do Ministério da Saúde divulgam balanço do novo coronavírus no Brasil
Executivos do Ministério da Saúde divulgam balanço do novo coronavírus no Brasil - Ministério da Saúde/Reprodução

O Brasil tem agora 12 casos suspeitos do novo coronavírus, de acordo com relatório divulgado pelo Ministério da Saúde na tarde desta sexta-feira (31). Um dia antes, eram nove casos em observação. Não há nenhum caso confirmado.

Os estados com pacientes em investigação são Ceará (1), Paraná (1), Rio Grande do Sul (2), Santa Catarina (1) e São Paulo (7). Até agora, nove casos que já foram tratados como suspeitos foram descartados pelo Ministério da Saúde.

Emergência global

É a primeira vez que o governo brasileiro se manifesta após a declaração de emergência global feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS), na quinta-feira (31). Segundo o secretário de Vigilância do ministério, Wanderson de Oliveira, a ação da OMS não muda as condutas das autoridades brasileiras em relação ao vírus.

"O Ministério da Saúde avalia que todas as recomendações da OMS se encontram no nosso plano de contingência. E não há nenhuma alteração de conduta em decorrência da declaração de Emergência em Saúde Pública", disse o secretário.

Wanderson, no entanto, ponderou que o ministério pode alterar as regras de controle a qualquer momento, conforme a necessidade. “Podemos adotar medidas adicionais a qualquer momento para viabilizar a resposta oportuna e coordenada das ações", declarou.

Compra de equipamentos

O secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que o ministério discute com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a possibilidade do uso de máscaras nos pacientes sob suspeita de contaminação.

"Hoje debatemos em relação ao uso de máscaras: discutimos essa ação com a Anvisa e continuamos indicando o uso apenas para os profissionais que atendem os pacientes e manuseiam os exames", explicou o secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo dos Reis.

"Ainda assim, estamos nos precavendo e indo em busca da aquisição de insumos como: máscaras, luvas, gorros", completou.

Edição: Rodrigo Chagas