Pibinho

Jornal Brasil Atual Edição da Tarde | 10 de março de 2020

“Agora temos que lidar com Fake News contábeis do governo”, diz economista sobre “PIB privado” divulgado por Bolsonaro

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Ouça o programa ao vivo das 17h às 18h30 na Grande São Paulo (98.9 MHz) e noroeste paulista (102.7 MHz) e através do site do Brasil de Fato - Juliana Almeida | RBA

O PIB brasileiro sob o primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro caiu em relação aos do governo de Michel Temer. Em função do desempenho abaixo do esperado (1,1%), nas redes sociais, defensores do governo elogiaram a cifra, afirmando que os números do "PIB privado" foram positivos. A própria Secretária de Comunicação fez uma postagem nas redes sociais afirmando: “O Brasil não parou de crescer. PIB público: -2,25%, PIB privado, + 2,75%. O Brasil agora cresce de verdade.”

A diferenciação foi fortemente criticada por economistas. Para o professor do Instituto de Economia da Unicamp, Pedro Rossi, "o governo inventou um conceito que recorta uma parte do PIB pelo lado da demanda, chamando-a de PIB público, algo que está completamente equivocado do ponto de vista contábil. É uma fake news da contabilidade nacional". 

"O que o governo está comemorando, na verdade, é a queda de uma demanda pública. Na demanda pública não entram as transferências, então, não entram transferências por aposentadorias, juros, etc. O que entra? O investimento público. Eles estão comemorando a queda do gasto público, em particular em três setores, que é como a contabilidade divide: educação, saúde e administração pública. O governo portanto comemora: menos atendimento na saúde, menos vagas nas escolas e menos funcionários atendendo na administração pública", explica Rossi, que também é pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica (CECON) da UNICAMP. 

Além de Rossi, são entrevistados para o jornal, o ex-ministro de Defesa, Celso Amorim, que comenta o possível acordo militar dos EUA com o Brasil, e o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielle, para falar sobre a guerra de preços de petróleo entre Rússia e Arábia Saudita, e os impactos que ela pode ter na economia brasileira, sob a política de desintegração da Petrobras do governo Bolsonaro. 

O programa traz ainda informações sobre a luta indígenas Guarani, que na tarde desta terça (10), conseguiram impediram a reintegração de posse de terreno ao lado de aldeia Jaraguá Guarani, em São Paulo (SP).  

----------

O Jornal Brasil Atual Edição da Tarde é uma produção conjunta das rádios Brasil de Fato e Brasil Atual. O programa vai ao ar de segunda a sexta das 17h às 18h30, nas frequências da Rádio Brasil Atual na Grande São Paulo (98.9 MHz) e noroeste paulista (102.7 MHz), e pela Rádio Brasil de Fato (online). Também é possível ouvir pelos aplicativos das emissoras: Brasil de Fato e Rádio Brasil Atual.   

Edição: Mauro Ramos