Solidariedade

MST doa 14 toneladas de alimentos a ocupações urbanas de Curitiba

Acampamento Maila Sabrina, em Ortigueira, doou parte da produção das 370 famílias acampadas

Brasil de Fato | Curitiba (PR) |

Ouça o áudio:

Acampamento Maila Sabrina doou 14 toneladas de alimentos a quatro ocupações urbanas da Cidade Industrial de Curitiba - Lia Bianchini

“O dia-a-dia nosso é roça. Levanta, trata os porcos, as galinhas e mexe nas plantinhas. Tem abundância, graças a Deus”. Assim a agricultora Solange Aparecida Rodrigues relata seu cotidiano no acampamento Maila Sabrina, em Ortigueira, na região central do Paraná. Parte da abundância cultivada por Solange e outras 370 famílias que vivem no acampamento foi doada a quatro ocupações urbanas da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), no sábado (11).

No dia da colheita, quinta (9), cada família do acampamento tinha como tarefa reservar uma parte do que produz para a  doação. De pouco em pouco, ao longo de uma tarde, um barracão do acampamento foi se enchendo com sacos dos mais variados alimentos. Na contagem final, 14 toneladas distribuídas entre arroz, feijão, outros tipos de grãos, mel, pães, legumes e frutas. Além dos alimentos, a comunidade enviou 300 máscaras de tecido produzidas por costureiras que moram no local.

O esforço coletivo da doação é uma forma de ajudar as ocupações urbanas que têm sofrido com os impactos econômicos gerados pela pandemia de coronavírus. A ação integra uma campanha de solidariedade que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) tem feito em todo o Brasil.

::Esta pandemia é a expressão mais trágica da fase atual do capitalismo, diz Stedile::

De uma ocupação rural, os alimentos do Maila Sabrina viajaram por mais de 300 quilômetros até chegar às ocupações urbanas 29 de Março, Tiradentes, Dona Cida e Nova Primavera, às vésperas da Páscoa.

“Se não fosse a ocupação da fazenda e a reforma agrária isso não seria possível. Se não fosse as famílias que ocuparam a terra estarem produzindo comida. Nós somos gratos por estar na terra pra produzir e poder hoje ajudar as famílias da cidade”, diz Jocelda de Oliveira, integrante da coordenação do acampamento.

::Agricultura familiar precisa de reforço para não faltar comida, defendem movimentos::

O território da comunidade Maila Sabrina tem 10.600 hectares, um dos maiores latifúndios do Paraná. Antes da ocupação, sofria devastação ambiental pela produção de búfalo, sem cumprir os critérios de Reserva Legal.


Foto: Lia Bianchini

Do asfalto ao chão de terra

Algumas das pessoas que hoje vivem e produzem no acampamento Maila Sabrina tiveram também a experiência de morar em grandes centros urbanos. É o caso de Edna dos Santos, que viveu em área rural até os 17 anos, quando mudou-se para a cidade com a família.

“Eu trabalhava de empregada, ganhava um salário [mínimo], mas não dava. Eu tinha um salão de cabeleireira e também não dava. Eu ia dormir pensando nas contas do final do mês e era muito difícil”, conta. Hoje, morando no acampamento, Edna diz que produz seu próprio alimento. “Arroz, feijão, meu autossustento. E pra mim é uma satisfação estar doando alimentos para o pessoal da cidade, porque eu sei que a vida lá não é fácil”.

::MST distribui uma tonelada de alimentos para vítimas de enchentes no Ceará::

Assim como Edna, Clóvis Coelho Soares, conhecido como Nicão, também já sentiu na pele as dificuldades que um trabalhador urbano pode enfrentar. Antes de mudar-se para o acampamento Maila Sabrina, em 2011, Nicão vivia na cidade, onde trabalhou em madeireira e indústria, foi operador de máquina e motorista de caminhão. Hoje, Nicão se dedica ao trabalho na terra, planta arroz, feijão, milho para os animais, batata doce, mandioca e banana.

“Da terra a gente consegue se alimentar bem, graças a Deus, com produtos de qualidade e fazer algo mais. Ter capacidade de doar alguma coisa pra alguém que precisa é um prazer”, diz.


Foto: Lia Bianchini

Apesar das diferenças, as semelhanças

Do ponto final dos alimentos, na Cidade Industrial de Curitiba, Roberto Baggio, da coordenação do MST, relaciona a realidade das famílias moradoras de ocupações urbanas e rurais. “Estamos aqui numa grande área ocupada que tem os mesmos problemas dos camponeses, sem moradia garantida, sem infraestrutura, sem água, sem casa. O que revela que os problemas do povo brasileiro são parecidos em todos os locais”, aponta.

::Acampamentos do MST doam 5 toneladas de alimentos no Paraná::

De 2015 a 2018, as ocupações urbanas da Cidade Industrial de Curitiba sofreram reiteradas ameaças de despejo. Em Ortigueira, a área do acampamento Maila Sabrina foi ocupada em 2003 e a ordem de reintegração de posse foi emitida no mesmo ano. A disputa jurídica segue desde então e as ameaças de despejo se intensificaram ao longo de 2019.

Em todo o Paraná, existem cerca de 200 ocupações urbanas na iminência de despejo. A mesma angústia do risco de despejo assombra cerca de sete mil famílias camponesas acampadas no estado.


Foto:Lia Bianchini

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS) a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19. 

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Frédi Vasconcelos e Leandro Melito