Trabalho

Covid: quebra de protocolo e aglomeração contribuem para contaminação de bancários

Em Pernambuco, cerca de 200 funcionários de bancos já se contaminaram no ambiente de trabalho

Brasil de Fato | Recife (PE) |

Ouça o áudio:

Maioria das aglomerações acontecem na Caixa Econômica - Agência Brasil

Representantes de sindicatos e trabalhadores bancários têm denunciado constantes aglomerações nas agências. A demanda de milhares de pessoas em busca do auxilio emergencial e o descumprimento do protocolo de prevenção e cuidados têm colocado em risco a vida da população. 

A situação é bastante crítica em Pernambuco, onde algumas agências chegam a realizar até mil atendimentos por dia. Segundo levantamento feito a partir de denúncias recebidas pelo Sindicato dos Bancários do estado, até o momento, quase 200 bancários já se contaminaram com o novo coronavírus desde o dia oito de maio.

:: Risco de contágio e agressões: o cotidiano dos servidores da Caixa durante a pandemia ::
 
Segundo a presidenta do Sindicato dos Bancários de Pernambuco, Suzi Rodrigues, as denúncias recebidas são, principalmente, pelo descumprimento do protocolo de prevenção. "Tendo uma pessoa [testada] positiva, precisa afastar aquele funcionário que adoeceu e toda a equipe, higienizar a agência e pode-se abrir a agência com a nova equipe. As informações que temos é que os bancos afastam a pessoa que estava doente, não troca a equipe e nem está higienizando a agência", explica. 

A Caixa Econômica e o Banco Santander lideram o ranking entre os bancos com maiores números de funcionários contaminados, somando mais da metade dos casos registrados. Do total de funcionários bancários que contraíram o vírus, a Caixa parece, com 32%, e o Santander, com 24%, seguidos por Bradesco (21%), Itaú (10%), Banco do Brasil (8%) e Banco do Nordeste (5%).

:: Mais da metade dos bancários da Caixa sofre assédio moral, aponta pesquisa ::

Diante desta situação e par evitar sub-notificações, o Sindicato lançou a campanha de conscientização "Não se cale, denuncie!".

"Temos recebido denúncias nos bancários de que os bancos estão fazendo reuniões e solicitando que os bancários não informem os sindicatos da sua situação de saúde. Para a gente é duplamente incoerente quando um banco importante com um serviço desse, que é assistência social às pessoas que precisam, não dá as condições de higiene e de vigilância para que seu funcionário possa trabalhar, colocando em risco centenas de milhares de pessoas que precisam ir ao banco fazer seu atendimento", reforça Suzi.

Confira em vídeo a reportagem completa:

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Monyse Ravena e Leandro Melito