GREVE

Metroviários de SP adiam paralisação contra retirada de direitos para 8 de julho

Negociações terão continuidade nesta quarta (1º); TRT sugere manutenção de acordo coletivo até fim da pandemia

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) terá continuidade nesta quarta (1º) - Foto: Divulgação

Em assembleia online realizada na noite desta terça-feira (30), os metroviários de São Paulo decidiram adiar a paralisação prevista para esta quarta (1º) para o dia 8 de julho. A decisão foi aprovada por 79,26% da categoria, que reafirma a continuidade da mobilização contra redução de benefícios na folha salarial em meio à discussão de novo acordo coletivo

Continua após publicidade

A entidade de classe afirma que o governo estadual e o Metrô se negam a aceitar a proposta de adiar as negociações do  acordo coletivo, que vigorou até 30 de abril, para depois da pandemia.

Em audiência de conciliação iniciada ontem por videoconferência entre os trabalhadores, Metrô e governo estadual, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2)  sugeriu a manutenção das cláusulas anteriores até o fim da pandemia. As negociações continuarão nesta quarta (1º). 

Segundo o Sindicato dos Metroviários, o pagamento desta semana já apresentou descontos significativos antes mesmo do fechamento de um acordo final, comprometendo a renda dos trabalhadores em um momento de grave crise econômica.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Camila Lisboa, coordenadora geral do Sindicato, afirmou que os metroviários demandam o pagamento completo e imediato de seus salários.

Segundo a sindicalista, o governo e a diretoria do Metrô alegam que as alterações se deram pela baixa arrecadação da companhia, já que o fluxo de pessoas tem sido mais baixo durante a pandemia do coronavírus. 

“Recebemos o salário com vários cortes de direitos que implicam em perda salarial. Trabalhamos o mês inteiro contando que ia receber um valor ao fim do mês, e recebemos um valor muito reduzido. Em um casos, a redução passa de R$1 mil. A categoria metroviária está trabalhando na pandemia, se expondo ao risco, somos um setor essencial, e temos esse tipo de tratamento do João Doria”, criticou Lisboa.  

Mudanças

A redução no adicional de risco de vida dos bilheteiros, no auxílio-transporte e um desconto maior no plano de saúde foram algumas das mudanças impostas aos trabalhadores, sem diálogo, de acordo com o sindicato.

A entidade reforça que os trabalhadores não pleiteiam o aumento de salário neste momento, mas sim a continuidade dos direitos previstos no acordo coletivo que venceu em meio à pandemia, e que garante conquistas de décadas da categoria.  

O Brasil de Fato aguarda posicionamento sobre as negociações por parte do governo de São Paulo e do Metrô, contatados por meio de suas assessorias de imprensa. 

Edição: Rodrigo Durão Coelho