análise

Marcio Pochmann debate mudancas no capitalismo brasileiro pós pandemia neste sabado

Live foi realizada pelo o Projeto Brasil Popular e transmitida também pelo Brasil de Fato

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Marcio Pochmann é coordenador do Grupo de Trabalho em Economia do Projeto Brasil Popular - Rede Brasil Atual

Neste sábado (25), o Projeto Brasil Popular (PBP) realiza a live “Mudanças Estruturais do Capitalismo Brasileiro e os efeitos da pandemia”, às 10h, com o economista e professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Marcio Pochmann. O evento será transmitido ao vivo pelo Brasil de Fato e pelo PBP. 

Continua após publicidade

A live faz parte de uma iniciativa do PBP que reúne movimentos e partidos políticos de esquerda de todo o País, tem como objetivo pensar os desafios colocados com a crise econômica intensificada pela pandemia e um projeto de país que possa transformar a realidade brasileira.

Saiba mais: Economia não volta a crescer sem retomada de investimentos, avaliam especialistas

Segundo a PBP, “a forma como os governos têm enfrentado as crises não colaborou nem para encontrarmos alternativas eficazes de combate à pandemia, nem para apontar saídas da crise econômica, o que tem gerado maior empobrecimento da população com alto nível de desemprego e sem proteção social”.

De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada no dia 30 de junho, pela primeira vez desde que é feita a contagem, o Brasil tem mais pessoas em idade ativa fora do mercado do trabalho do que dentro. 

Aprofunde-se: Pela primeira vez, Brasil tem menos de 50% dos trabalhadores ocupados

O percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar chegou a 49,5% no trimestre encerrado em maio, queda de cinco pontos percentuais em relação ao trimestre que terminou em fevereiro.

Ainda segundo a PNAD, aproximadamente 29 milhões de pessoas querem trabalhar, mas não procuraram emprego ou por causa da pandemia ou porque não existe emprego onde elas moram.

Edição: Rodrigo Chagas