Saúde Pública

Governo do RJ fecha mais três hospitais de campanha após escândalos de corrupção

Deputado da Alerj disse que "condições eram as mais precárias possíveis" em hospitais de Caxias, Nova Iguaçu e Friburgo

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Hospital Friburgo
No final de maio, hospital de campanha de Nova Friburgo ainda estava sendo construído - Prefeitura de Nova Friburgo

O secretário estadual de Saúde, Alex Bousquet, disse nesta segunda-feira (27) que vai fechar nos próximos dias os hospitais de campanha de Duque de Caxias e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e de Nova Friburgo, na Região Serrana, construídos para auxiliar no combate à pandemia da covid-19. A informação foi anunciada durante reunião sobre fiscalização dos gastos públicos em saúde, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Relator da Comissão de Saúde da Alerj, o deputado Renan Ferreirinha (PSB) disse, no entanto, que vistoriou todas as unidades e que elas nunca estiveram aptas para funcionar. "As condições eram as mais precárias possíveis. E agora recebemos a informação de que as mesmas serão fechadas. Isso deixa claro como o dinheiro público foi gasto de forma leviana” afirmou o parlamentar.

O deputado também disse que os dois únicos hospitais de campanha que funcionaram no Rio, tanto o Maracanã quanto o de São Gonçalo, funcionaram com um número muito inferior ao necessário.

Leia também: Estado do Rio acumula 12.535 óbitos pela covid; 92 pessoas morreram em 24 horas

Bousquet afirmou que as unidades do Maracanã e de São Gonçalo também estão perto de fechar. "O planejamento já incluía início, meio e fim. Os serviços foram contratados por um prazo temporário e estamos próximo finalizar as atividades nas unidades de apoio como um todo. A epidemia está estabilizada ou está em queda e isso é natural que aconteça", argumentou.

Caxias, Friburgo e Nova Iguaçu são três dos sete hospitais que o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) foi contratado para construir e gerir no período de combate à covid-19. Segundo Bousquet, o Iabas já recebeu R$ 256 milhões, dos R$ 770 milhões previstos em contrato para as obras das unidades. Ele também frisou que os hospitais de Casimiro de Abreu e Campos dos Goytacazes não foram concluídos. "Não vimos necessidade de finalizar essas obras e, por isso, paralisamos a construção", esclareceu.

Leia mais: Sem plano e à deriva, Brasil pode se tornar o país com mais vítimas da covid

Contratos

À frente da pasta há um mês, Bousquet disse que revisou todos os 44 contratos que a secretaria mantinha. Segundo ele, muitos já estavam vencidos há mais de um ano. "Separamos os contratos em três grandes grupos: os acordos vigentes, os contratos irregulares juridicamente e os que tinham alguma dependência administrativa. Com isso conseguimos dar agilidade aos processos dentro da instituição", ressaltou.

Mas a deputada Martha Rocha (PDT), que é presidente tanto da comissão de saúde quanto da comissão de gastos da saúde na pandemia, insistiu que a nova gestão da Secretaria Estadual de Saúde não é transparente.

"Não é papel da Alerj sugerir nenhum tipo de gestão, mas me incomoda a falta de transparência nas decisões tomadas pela Secretaria. Duas importantes mudanças foram lideradas pela pasta, entre elas a quebra do contrato com o Iabas, sorrateiramente, de forma muito esquisita. A gente já acorda com as informações", criticou a parlamentar.

Saiba mais: Mortes por covid ultrapassam 86 mil no Brasil; nas redes, Bolsonaro se diz curado

O deputado Ferreirinha lembrou, na reunião, que o ex-secretário Fernando Ferry prestou depoimento à comissão depois de deixar o cargo e afirmou que estaria saindo da pasta por estar com medo de sujar o seu CPF. "O senhor não ficou com medo de sentar nesta cadeira?", questionou o parlamentar.

"Assisti algumas entrevistas de Ferry, mas não entendi o que ele quis dizer com mar de lamas, porque eu encontrei muitos problemas, mas nada que justificasse esse tipo de afirmação. Trouxe uma equipe técnica e estou usando os técnicos que já tinham na secretaria para prestar um trabalho honesto. O nosso papel nessa secretaria é estritamente técnico", respondeu Bousquet.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Eduardo Miranda e Rodrigo Chagas