ELEIÇÕES 2020

Em Pernambuco, programa de governo de João Campos tem apenas nove páginas

O programa elogia as políticas e iniciativas da atual gestão e pretende ampliá-las, mas sem explicar como

Brasil de Fato | Recife (PE) |
João Campos divide chapa com Isabela de Roldão, do PDT, que retirou a candidatura do partido ainda na pré-campanha - Rodolfo Loepert

João Campos (PSB) é formado em engenharia civil pela Universidade Federal de Pernambuco e começou sua carreira política em 2014 nas instâncias internas do partido. João atualmente está no seu primeiro mandato como deputado federal.

O Brasil de Fato realiza uma série de matérias com os perfis dos candidatos à Prefeitura do Recife que disputam o segundo turno. A ordem foi definida pela posição do candidato nas últimas pesquisas de intenção de voto. Na segunda-feira (23) foi publicado o perfil de Marília Arraes (PT), que concorre contra Campos.

Atuação política

A trajetória política de João Campos inicia em 2014, quando ocupa o cargo de secretário de Organização Estadual do PSB, onde permaneceu até 2016, quando assume a cadeira de chefe de Gabinete do Governo de Pernambuco. Em 2018, ele tenta pela primeira vez uma vaga na Câmara Federal e tem 460.637 votos, sendo o candidato mais votado da história do estado. 

Leia mais: Em Recife, direita fica fora do 2º turno; disputa será entre PSB e PT

Neste ano, a disputa de João pelo cargo de prefeito, na tentativa de manter o PSB no cargo, começou cedo. Ainda no início do ano, o PDT retirou a candidatura de Túlio Gadêlha para encabeçar a chapa para a prefeitura, indicando a ex-vereadora Isabela de Roldão para o cargo de vice-prefeita. A coligação da Frente Popular do Recife conta com PSB,  PDT,  MDB,  PP, PSD, PCDOB, PV,  PROS,  Avante,  Rede,  Republicanos e Solidariedade.

Propostas para o Recife

No programa de governo da coligação, que tem apenas nove páginas, a prioridade da próxima gestão, segundo eles, é o enfrentamento à desigualdade social O programa se divide em quatro eixos: Cidade Solidária, Humanizada, Empreendedora e o Recife 4.0. De forma geral, o programa elogia as políticas e iniciativas da atual gestão e pretende ampliá-las, mas sem explicar de qual forma e com quais recursos. 

Leia também: Eleição 2020 marca ascensão da diversidade na vida política do país

Na saúde, a proposta principal é a cobertura ainda maior da atenção básica, com ampliação de equipes de saúde da família; para o desemprego, um dos maiores gargalos da gestão, já que de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD - Contínua) o Recife é a capital com maior taxa de desemprego no último trimestre, a proposta é estimular a geração de emprego e renda com “instrumentos de fomento, apoio material e articulação entre clientes e fornecedores de bens e serviços”, além do apoio aos pequenos negócios e ao empreendedorismo. 

Leia mais: No Recife, 2 em cada 3 novos casos de covid-19 ocorrem entre negros

Um dos problemas da cidade é o déficit habitacional, já que de acordo com a própria prefeitura, há mais de 70 mil famílias sem casa. O programa do PSB elogia a atual política habitacional da prefeitura, mas não propõe nenhum programa de ampliação das políticas. O documento encerra convidando a população a aprofundar o debate sobre as questões que estão no programa. 

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Rogério Jordão e Monyse Ravena