ALIANÇAS

Saiba quais partidos compõem primeiro escalão do governo de João Campos, no Recife

Das 18 secretarias, 7 são encabeçadas por indicações de partidos aliados; esquerda ficou com 2

Brasil de Fato | Recife (PE) |
Apesar de um secretariado jovem e 50% feminino, João Campos foi acusado de ser pouco diverso: apenas três dos 18 são negros - Rodolfo Lopert/Prefeitura do Recife

O prefeito mais jovem da história do Recife, João Campos (PSB), e sua vice, Isabela de Roldão (PDT),tomaram posse na última sexta-feira (1º) e, no dia seguinte, nomearam os 18 secretários que chefiarão as políticas públicas municipais pelo próximo período. A nova gestão mantém aquilo que o PSB tem feito nos últimos 15 anos em nível estadual e municipal: aproximar-se de figuras que atuam em áreas-chave na burocracia estatal, construir relações políticas com esses “técnicos” e promover esses parceiros políticos a postos de confiança. O governador Paulo Câmara e o ex-prefeito Geraldo Julio são exemplos de burocratas que se tornaram políticos. A maioria dos secretários de João Campos tem esse perfil, boa parte vindo do Governo do Estado de Pernambuco.

Mas Campos também contemplou diversos partidos da sua base aliada ao oferecer a eles secretarias. Dois vereadores foram chamados a ocupar secretarias. A coligação que lhe elegeu prefeito foi composta pelo PSB e mais 11 partidos aliados. O PV rompeu no segundo turno e declarou apoio a Marília Arraes (PT), enquanto a Rede não elegeu vereadores. Dos nove outros partidos, sete ganharam secretarias.

:: Boulos, Marília Arraes e Manuela saem da eleição maiores do que entraram ::

Os dois aliados do campo progressista, PDT e PCdoB, ganharam uma secretaria cada. O PCdoB, que ocupou o cargo de vice-prefeito do Recife nas duas gestões de Geraldo Julio (2013-2020), ficou com a Secretaria da Mulher na figura de Glauce Medeiros, graduada e mestra em Ciências Sociais, militante feminista e ex-dirigente da União Brasileira de Mulheres (UBM).

Já o PDT, ocupante atual do cargo de vice-prefeita, ficou com a secretaria de Trabalho e Qualificação Profissional. Adriana Rocha é graduada e mestra em Direito, ocupou cargos na OAB, é professora universitária e já se candidatou ao Senado (pela Rede, em 2018) e a vereadora (PDT, 2020), não obtendo sucesso nos pleitos. Integrava o grupo mais próximo ao deputado federal Túlio Gadêlha (PDT), mas, ao se ver dividida entre Túlio e a direção do partido, Rocha migrou para o outro lado, encabeçado pelo deputado federal Wolney Queiroz e pela agora vice-prefeita Isabela de Roldão.

O MDB segue com Murilo Cavalcanti na Secretaria de Segurança Cidadã. Ele ocupa o posto desde o início da gestão Geraldo Julio, em 2013. Cavalcanti é graduado em Administração de Empresas e especializado em políticas públicas de combate à violência. Já atuou como secretário da mesma pasta em Petrolina. O partido Republicanos ganhou a Secretaria de Saneamento, para a qual indicou Érika Moura, engenheira civil especializada em saneamento e que estava atuando na Compesa.

O PP do deputado federal Eduardo da Fonte é o segundo maior partido de Pernambuco, mas ficou apenas com a Secretaria de Habitação. Para o posto, o partido indicou Maria Eduarda Médicis Campos, graduada em Administração e Arquitetura, com passagens pela prefeitura do Cabo de Santo Agostinho e por cargos no Governo do Estado, nas secretarias das Cidades e de Planejamento e Gestão. Ela também acompanhou as obras para a Copa do Mundo de 2014. O partido se mostrou insatisfeito com o pouco espaço que ganhou. A Habitação tem poucos cargos comissionados para nomear. Pelo tempo de aliança e por seu tamanho – segunda maior bancada tanto na Câmara do Recife como na Alepe e terceiro partido com mais prefeituras no estado –, o PP esperava mais. O PSB pode estar justamente freando o avanço do aliado.

:: João Campos (PSB) vence Marília Arraes (PT) na briga pela prefeitura de Recife ::

O PSD do deputado federal André de Paula ficou com a Secretaria de Turismo e Lazer, que será ocupada justamente pela filha do deputado, a jornalista Cacau de Paula (PSD). Ela já ocupou cargos menores na própria secretaria e, em nível estadual, na Empetur. Outro deputado federal que colocou o herdeiro numa secretaria foi Augusto Coutinho (SD), cujo filho Rodrigo Coutinho (SD) foi nomeado secretário de Esportes. Rodrigo é estudante de Engenharia Civil e, em 2020, foi reeleito para seu segundo mandato de vereador. Ele terá responsabilidade sobre as Academias do Recife e o Geraldão, além de desenvolver políticas públicas de esportes.

Além de Coutinho, outro vereador que foi chamado por João Campos para ocupar secretaria foi Carlos Muniz (PSB). Graduado em Administração e servidor público da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), ele é genro do falecido vereador e empresário de transportes Carlos Gueiros. Muniz ocupa cargos no segundo escalão da Prefeitura desde a gestão de João da Costa (PT) e, em 2020, um ano após a morte do seu sogro, candidatou-se ele mesmo a vereador pelo PSB, sendo eleito. Ele se afasta do mandato para ser secretário de Governo e Participação Social, ocupando agora o primeiro escalão do município.


Grupo mescla indicações de partidos aliados e figuras da burocracia estatal próximas ao PSB / Rodolfo Lopert/Prefeitura do Recife

As secretarias que movimentam mais recursos ficaram mesmo com o PSB. Na Educação ficou Fred Amâncio, que nos últimos cinco anos foi secretário da mesma pasta no Governo do Estado. Graduado em Administração e em Direito, Amâncio é auditor fiscal concursado do Tesouro na Secretaria da Fazenda de Pernambuco e, já na política, foi secretário em quatro pastas a nível estadual: Saúde; Desenvolvimento Econômico (e presidência de Suape); Planejamento e Gestão; e Educação. Na Saúde o nome é Luciana Albuquerque, graduada em Odontologia e mestra em Saúde Pública. Ela já ocupou cargos intermediários na gestão de saúde do Recife nos governos petistas de João Paulo e João da Costa, sendo levada para a secretaria estadual de Saúde em 2011 pelo então secretário Antônio Figueira. Foram 10 anos trabalhando com o PSB do Governo do Estado.

A pasta de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos, Juventude e Políticas sobre Drogas segue com Ana Rita Suassuna, graduada em Serviço Social e que ocupa o cargo de secretária desde 2013. A Secretaria de Infraestrutura quem assume é a engenheira civil Marília Dantas, presidenta desde 2019 da autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb). Pelo setor privado ela participou da construção da Arena Pernambuco enquanto trabalhava na Odebrecht. Na pasta de Finanças a nomeada é a economista Maíra Fischer, que passou por cargos no segundo escalão no Governo do Estado.

A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade é encabeçada pelo engenheiro agrônomo e advogado Carlos Ribeiro. Ele é servidor concursado na Secretaria de Meio Ambiente do Recife desde 2008 e responsável pelo licenciamento ambiental no Recife desde 2013. Na pasta de Política Urbana e Licenciamento o titular é o economista Leonardo Bacelar, que ocupou cargos no segundo escalão do Governo do Estado e na Prefeitura do Recife, estando até pouco tempo na Secretaria de Infraestrutura, pela qual compõe o Conselho de Desenvolvimento Urbano (CDU) da capital. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação fica com Rafael Dubeux, graduado em Direito, mestre e doutor em desenvolvimento econômico e inovação tecnológica. Professor universitário, estava residindo em Brasília (DF) e é da família detentora da maior empresa de construção civil do estado, a Moura Dubeux.

Na Secretaria de Planejamento e Gestão, o titular é o economista e mestre Felipe Martins Matos, com atuação no setor privado. O secretário de Cultura é o jornalista e produtor cultural Ricardo Mello é o titular. O Gabinete de Imprensa é chefiado por Gilberto Prazeres, graduado em Jornalismo e com passagens por veículos de comunicação do Recife. Ele foi secretário-executivo de Imprensa do governo Paulo Câmara (PSB), cargo que deixou para atuar na campanha de João Campos à Prefeitura. A Procuradora-Geral do município agora é Giovana Gomes Ferreira, graduada em Direito, ex-auditora do Tribunal de Contas (TCE) e que foi procuradora-adjunta do estado já durante o governo Paulo Câmara (PSB).

Ao menos no primeiro escalão do Executivo, Campos cumpriu a promessa de “nomear mulheres para metade dos cargos de liderança”. No entanto, o prefeito foi acusado nas redes sociais de haver formado um secretariado com pouca diversidade. Há apenas três pessoas negras entre os nomeados: o chefe do Gabinete de Imprensa, a Secretária da Mulher e a Procuradora-Geral do Município.

Fonte: BdF Pernambuco

Edição: Camila Maciel e Vanessa Gonzaga