Saúde na mesa

Bem Viver: programa aborda legislação que defende comida de verdade no México

Governo do país decretou a proibição do milho geneticamente modificado e do uso do veneno glifosato

Ouça o áudio:

Enquanto isso no Brasil, os resíduos advindos do uso de agrotóxicos e a proteção dos trabalhadores que o manejam ainda são problemas recorrentes - Getty Images
O agronegócio tem três anos para se adequar e não utilizar mais a substância

O programa Bem Viver desta sexta-feira (08) apresenta a experiência mexicana de constituir uma legislação que defenda a comida de verdade. No país, o governo publicou um decreto que proíbe o milho transgênico em território nacional, além do uso do veneno agrícola glifosato.

As mudanças serão feitas conjuntamente, integrando medidas promovidas pelos ministérios da Agricultura, Meio Ambiente, Saúde e Ciência do do governo mexicano. 

Para conter os agrotóxicos, o governo do México pretende desenvolver propostas sustentáveis e culturalmente adequadas para a saúde humana e toda a biodiversidade do seu território. Ao mesmo tempo, um decreto está impedindo que autoridades de biossegurança emitam licenças que autorizam o plantio de sementes de milho com genoma modificado.

:: Cuscuz sem transgênico: conheça a cooperativa que desafia a lógica do agronegócio ::

Ainda na pauta da sustentabilidade, o Bem Viver pauta o projeto Pedagroeco, no quadro Momento Agroecológico. A iniciativa surgiu em 2017 com o objetivo de potencializar o protagonismo da juventude na agroecologia.

"O nome Pedagroeco foi inspirado na perspectiva de desenvolver uma pedagogia do campo com enfoque agroecológico. Daí o nome Pedagroeco, pedagogia e agroecologia”, explica a pedagoga Juliana Andrea, que liderou o projeto.

Ao longo de dois anos foram desenvolvidas atividades de Educomunicação que envolvem a Pedagogia Griô. O Pedagroeco vai lançar oficialmente um livro com a sistematização de todo o seu processo metodológico, no próximo dia 21 de janeiro. 

.:: Além do alimento: programa Bem Viver aborda aspectos políticos da agroecologia ::

A edição também compartilhou dados e informações sobre a pandemia do coronavírus no Brasil. Nesta quinta-feira (07), o país registrou tragicamente a maior quantidade de óbitos em um dia, sendo quase 2 mil mortes, de acordo com os números divulgados pelo Congresso Nacional de Saúde (CONAS).

:: Belo Horizonte volta a fechar após bater recorde de covid pós-festas de fim de ano ::

Por outro lado, uma notícia animadora também entrou na pauta do programa. Nesta quinta-feira (07), a vacina CoronaVac, desenvolvida pelo Insituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, alcançou 78% de imunização contra o coronavirus e garantiu que infectados não desenvolvessem sintomas graves da covid-19. 


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: SpotifyGoogle PodcastsItunesPocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Daniel Lamir