Segunda onda

Lewandowski determina que Bolsonaro abasteça Manaus "imediatamente" para conter crise

Ministro deu prazo de 48h para o governo federal apresentar plano detallhado de medidas contra o colapso na saúde

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Paciente chega ao Hospital 28 de Agosto, em Manaus (AM) nesta quinta-feira (14). Capital enfrenta falta de oxigênio e leitos de UTI em meio à segunda onda de covid-19
Paciente chega ao Hospital 28 de Agosto, em Manaus (AM) nesta quinta-feira (14). Capital enfrenta falta de oxigênio e leitos de UTI em meio à segunda onda de covid-19 - Michael DANTAS / AFP

Em decisão liminar na tarde dessa sexta-feira (15) o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski deterninou que o governo federal "promova, imediatamente, todas as ações ao seu alcance para debelar a séria crise sanitária instalada em Manaus”, em especial abastecer os estabelecimentos de saúde com oxigênio e outros insumos médico-hospitalares.

Continua após publicidade

Leia tambémSem números do Amazonas, Brasil registra mais de 60 mil casos de covid-19 em 24h

Na mesma decisão, o ministro Lewandowski requisitou a apresentação, no prazo de 48 horas, ”de plano compreensivo e detalhado de todas as  estratégias que está colocando em prática ou pretende desenvolver para o enfrentamento da situação de emergência” e que "atualize o plano em questão a cada 48 horas, enquanto perdurar a conjuntura excepcional. 

A decisão atende pedido formulado pelos partidos PcdoB, PT, PSOL, PSB e Cidadania, autores da ADPF 756 –   –, patrocinada pelo escritório Aragão e Ferraro Advogados e outros, que requer a doção urgente, por parte do governo federal, de medidas necessárias ao combate à covid-19 na cidade de Manaus.

Leia também: Sem leitos públicos, população de Manaus improvisa tratamento contra covid em casa

Nesta quinta-feira, a Justiça Federal do Amazonas determinou que a União e o governo do estado do Amazonas têm 24h para apresentar um plano para resolver a falta de oxigênio nos hospitais de Manaus e determinou que o governo federal tem a responsabilidade da transferência imediata dos pacientes que estejam na iminência de morrer por causa do desabastecimento das unidades. 

O advogado Miguel Novaes, da assessoria jurídica da oposição, disse que a resposta do STF é “satisfatória”. "O assunto é de extrema importância, tendo em vista todos os acontecimentos e notícias vindos do Amazonas. A decisão do ministro, que já oficiou o presidente da República pra que cumpra imediatamente, ou seja, que já promova todas as ações que estejam ao seu alcance para sanar a crise sanitária, tem a capacidade de contribuir e muito com a saúde e a vida de todos os cidadãos manauaras".

Edição: Leandro Melito