Negligência?

CPI ouve Wajngarten, ex-secretário que criticou atraso na compra de vacina; acompanhe

Ex-membro do governo Bolsonaro concedeu entrevista recente criticando "incompetência" do ex-ministro Ricardo Pazuello

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Fabio Wajngarten teria informações internas sobre o funcionamento do "gabinete do ódio", que espalhou fake news sobre a pandemia - Anderson Riedel / PR

O ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, concederá um dos depoimentos mais aguardados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid a partir das 10h desta quarta-feira (12).

Continua após publicidade

Embora não seja crítico do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, por exemplo, Wajngarten deu uma entrevista recente à revista Veja criticando a "incompetência" e "ineficiência" da equipe do ex-ministro Eduardo Pazuello, que teria resultado em atraso para compra de vacinas.

Em agosto de 2020, a farmacêutica estadunidense Pfizer ofereceu ao Brasil 70 milhões de doses do seu imunizante, com entrega prevista para dezembro. O governo federal não manifestou interesse e sequer respondeu ao laboratório.

Outro aspecto que torna o depoimento do ex-secretário importante é seu vínculo com a pasta da Comunicação.

 Wajngarten teria informações sobre a atuação do chamado “gabinete do ódio”, responsável pela disseminação de notícias falsas sobre vacinação, isolamento social e uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra o coronavírus.

Na entrevista à Veja, Wajngarten deixou claro que tentará poupar Bolsonaro, que na sua opinião está mal assessorado, e não mal intencionado, sobre o tema.

A CPI da Covid apura possíveis omissões do governo federal no combate ao novo coronavírus, que já matou mais de 424 mil brasileiros.

Assista ao vivo no Brasil de Fato:

 

Acompanhe o depoimento minuto a minuto:

Edição: Leandro Melito