Passou pano

Exército livra Pazuello e Bolsonaro diz que "existe punição nas Forças Armadas"

Sem citar nominalmente Pazuello, Bolsonaro saiu em defesa das Forças Armadas em sua live na noite desta quinta

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Pazuello participou de ato com Bolsonaro no último dia 23 no Rio de Janeiro - Reprodução

O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não será punido por participar de um ato político a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no último dia 23. O evento que aconteceu no Rio de Janeiro gerou uma investigação dentro do Exército. Afinal, como general da ativa, Pazuello não poderia fazer parte de uma manifestação política. 

Continua após publicidade

No entanto, o Comandante do Exército, general Paulo Sérgio, decidiu, nesta quinta-feira (3), que não será aplicada nenhuma punição e o processo disciplinar contra o ex-ministro foi arquivado.

Sem citar nominalmente Pazuello, Bolsonaro saiu em defesa das Forças Armadas em sua live na noite desta quinta.

"A punição existe nas Forças Armadas, ninguém interfere. A decisão é do chefe imediato, e a disciplina só existe porque o nosso código é rígido", disse o capitão reformado ao lembrar do episódio em que sofreu punição por indisciplina quando servia como militar da ativa.

Existe punição?

Apesar da afirmação do presidente, o Comando do Exército não sabe informar o número de oficiais que foram punidos por infrações aos artigos do código disciplinar que proíbem a atuação política.

Em resposta a pedido de acesso à informação feito pela reportagem, o Exército afirmou que as infrações do tipo "se originam e se exaurem" nas unidades militares.

A Força citou o elevado número de oficiais (225.755 em dezembro de 2020) e de Organizações Militares (672) como impedimento para centralizar e divulgar a informação publicamente.

Leia trecho da resposta, enviada à reportagem em 30 de dezembro de 2020:

"Cabe esclarecer que o Exército Brasileiro possui 672 Organizações Militares (OM), distribuídas por todas as regiões do País, com um efetivo previsto de 225.755 militares, porquanto sujeitos eventualmente a processos administrativos, que se originam e se exaurem nas respectivas Unidades, por motivações diversas, não havendo registros, de forma centralizada, que consolidem tais informações."

:: Coalizão Negra registra queixa-crime contra Pazuello por racismo ::

O Centro de Comunicação do Exército divulgou uma nota dizendo que o comandante "analisou e acolheu os argumentos apresentados por escrito e sustentados oralmente pelo referido oficial-general''. Desta forma, não restou caracterizada a prática de transgressão disciplinar por parte do general Pazuello e, em consequência, arquivou-se o procedimento".

De acordo com a Folha de S.Paulo, a decisão do Exército de isentar o general foi tomada em conjunto entre o comandante e o Alto-Comando, que é composto por 15 oficiais de quatro estrelas, topo da hierarquia.

Um dos integrantes do grupo disse ao jornal que a decisão foi uma "escolha de Sofia". Na semana passada, Bolsonaro e o Comandante viajaram à Amazônia e o presidente confrontou Paulo Sérgio com um pedido para livrar Pazuello da punição.

Leia mais: Empresário da equitação, Pazuello obrigou soldado de 19 a substituir cavalo

O Alto-Comando queria a punição de Pazuello. Muitos defenderam a cadeia de 30 dias ou uma suspensão ao general e outros sugeriram advertência por escrito ou verbal. Nesse caso, a renúncia do Comandante seria inevitável e seria a segunda troca do comando do Exército em dois meses.

De acordo com a revista Istoé, o general da reserva, Paulo Chagas, disse que o Comandante, Bolsonaro e Pazuello “estão colaborando para a desmoralização da instituição”. “Lamento a decisão. Está aberto o precedente para que a política entre nos quartéis. A disciplina está ameaçada”, afirmou o general.

Edição: Leandro Melito