Violência policial

Operação da PM mata morador e deixa jovem grávida ferida em ocupação de Campo Magro no Paraná

Para afastar moradores do local do crime, policiais atiraram balas de borracha e gás lacrimogêneo contra a população

Brasil de Fato | Curitiba (PR) |

Ouça o áudio:

PM atirou balas de borracha e gás lacrimogêneo contra os moradores - Reprodução

Moradores da ocupação Nova Esperança, em Campo Magro (PR), viveram um noite de terror nesta terça (30). Segundo relatos, a Polícia Militar chegou à ocupação atirando, quebrou a janela de uma das casas e atirou no morador que lá estava. O jovem de 25 anos morreu no local e sua esposa, uma jovem de 15 anos, que estava grávida, foi ferida pelos tiros. 

Continua após publicidade


Morador foi morto enquanto estava deitado no sofá da sala de sua casa / Reprodução

Continua após publicidade

A reportagem do Brasil de Fato Paraná chegou ao local por volta das 23h. Para impedir que qualquer pessoa se aproximasse do local onde estavam as vítimas, a PM agiu de forma truculenta, atirando balas de borracha e gás lacrimogêneo contra os moradores.

Continua após publicidade

"Qualquer um que tentar conversar, eles interpretam como desacato. Nem advogado eles deixam passar", contou um dos moradores*. Outra moradora relatou que a comunidade foi surpreendida pela operação. "A gente não está entendendo. A maioria chegou cansada do serviço e estava dormindo", disse.

Continua após publicidade


PM atirou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra moradores / Reprodução

A ocupação abriga mais de 900 famílias. Vários moradores atravessaram a madrugada na rua, acompanhando o desenrolar da operação e pedindo o cessar da violência. "É uma covardia. Os policiais deveriam ser nossa segurança", afirmou uma moradora. Com escudos e armas em punho durante toda a madrugada, o batalhão de choque revistava carros que tentavam entrar ou sair da ocupação.

Por volta das 2h da manhã, o carro do Instituto Médico Legal (IML) e cerca de 10 viaturas (entre PM e batalhão de choque) começaram a sair da casa das vítimas. Os moradores gritavam "assassinos". No momento em que a irmã do jovem assassinado juntou-se aos demais moradores, a PM, mais uma vez, agiu com truculência. Uma mulher, que segurava um bebê no colo, foi ferida por bala de borracha.


Moradora foi ferida por bala de borracha atirada pela PM / Reprodução

Versão da Polícia Militar

A reportagem do Brasil de Fato Paraná entrou em contato com a Polícia Militar, pedindo esclarecimentos sobre a operação. Por meio da assessoria de imprensa, a PM do Paraná enviou a nota a seguir, que reproduzimos na íntegra:

"De acordo com as informações do Boletim de Ocorrência, uma equipe da Rondas Ostensivas de Natureza Especial (RONE) recebeu a informação, através do setor de inteligência do BPChoque, que no endereço havia um homem com armas de fogo e que, rotineiramente, ameaçava moradores da região. Os policiais militares chegaram ao local, por volta das 22h40 de terça-feira (30/11), e o homem, ao perceber a presença policial, teria ameaçado a equipe dizendo que atiraria caso se aproximasse.

Ainda de acordo com o Boletim, neste momento, o homem teria feito um disparo de arma de fogo contra a equipe policial. Diante disso, os policiais militares entraram no imóvel e o suspeito atirou novamente, mas a equipe revidou e ele acabou atingido. O Siate foi acionado para prestar o devido atendimento médico, que constatou o óbito no local.

Os policiais militares ainda relataram no Boletim de Ocorrência que havia uma adolescente dentro da casa, a qual foi encaminhada como testemunha dos fatos. Ao todo, foram apreendidos pela PM uma pistola, de calibre .380, munições, três pinos de cocaína, R$ 2.469,00 em dinheiro, uma máquina de contar dinheiro e duas balaclavas em lã na cor preta.

Ainda segundo o Boletim de Ocorrência, durante o isolamento do local, pessoas tentaram furar o isolamento, atirando pedras e outros objetos contra as equipes. Diante dos fatos, foi necessária a utilização de meios não letais para conter a população."

*Por questões de segurança, os nomes dos moradores foram omitidos.

Atualização feita às 13:58 do dia 01/12/2021

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchini