Pandemia

Ministério da Saúde afirma que vacinação de crianças contra covid pode iniciar em janeiro

Doença já matou cerca de 300 crianças entre 5 e 11 anos; AMB solta favorável à imunização do grupo

Brasil de Fato | Fortaleza (CE) |

Ouça o áudio:

Brasil tem cerca de 66% da população total vacinados contra a covid, mas crianças ainda não tiveram imunização liberada - Breno Esaki/Agência Saúde-DF

 

Continua após publicidade

O Ministério da Saúde (MS) informou, na segunda-feira (27), que a imunização de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19 pode ter início em janeiro. Em uma nota enviada à imprensa, a pasta afirmou que sua recomendação é pela inclusão do grupo na lista do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

Continua após publicidade

“No dia 5 de janeiro, após ouvir a sociedade, a pasta formalizará sua decisão e, mantida a recomendação, a imunização desta faixa etária deve iniciar ainda em janeiro”, diz o texto. Está em vigência uma consulta pública lançada na última quinta (23) pelo ministério a respeito da iniciativa.

Continua após publicidade

A manifestação do MS surge em meio a uma série de manifestações negacionistas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliados sobre a segurança da vacina para o grupo dos pequenos. O chefe do Executivo disse, nesta segunda (27), que a filha mais nova, Laura, não receberá o imunizante.

Continua após publicidade

Paralelamente, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, chegou a apresentar uma postura cambaleante a respeito do tema. Na semana passada, por exemplo, o mandatário afirmou que o caso não exige “decisões emergenciais” e que a “pressa é inimiga da perfeição”. Anteriormente ele também havia dito que um prazo mais largo para discussão do assunto seria importante por ser um “tema sensível”.

Apesar disso, no último dia 19, a secretária de Enfrentamento à Covid, Rosana Leite Melo, encaminhou uma nota técnica ao Supremo Tribunal Federal (STF) dizendo que a imunização para crianças nessa idade seria considerada segura.

O posicionamento está em sintonia com manifestações feitas por especialistas da área da saúde. A Associação Médica Brasileira (AMB), por exemplo, divulgou nota na segunda (27) afirmando ser “integralmente a favor da” iniciativa.

A instituição disse que a autorização da imunização para essas idades segue “o mesmo rigor e normas de eficácia e segurança das demais faixas etárias” e que “atende de forma plena aos critérios exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.

A AMB destaca, por exemplo, que o Brasil registrou cerca de 300 óbitos de crianças com idade entre 5 e 11 anos desde o início da pandemia, o que dá uma média de 150 ao ano. “Novas mortes são absolutamente evitáveis e temos a obrigação de trabalhar nesse sentido”, conclama a instituição.

Outras entidades médicas também já oficializaram apoio à vacinação contra a covid em crianças. É o caso das Sociedades Brasileiras de Pediatria (SBP), Imunizações (SBIm) e de Infectologia (SBI).

 

 

 

Edição: Rodrigo Durão Coelho