29 de janeiro

"Visibilidade trans não é só festiva, é resistência", afirma Keila Simpson no Bem Viver na TV

Ativista fala da importância da celebração e luta da visibilidade trans em programa produzido pelo Brasil de Fato

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
keila simpson
A ativista Keila Simpsom fala sobre a importância da Visibilidade Trans no Bem Viver na TV - Arquivo Pessoal

29 de janeiro é Dia Nacional da Visibilidade Trans. A celebração tem o objetivo de conscientizar sobre a luta por direitos e pelo reconhecimento da identidade e sobre o combate à transfobia.

Nesta edição do Bem Viver na TV, produzido pelo Brasil de Fato, a presidenta da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Keila Simpson, fala sobre a importância da data e traz um panorama dos direitos trans.

"A gente sempre tem dito que essa data, comemore-se se for pra comemorar, proteste se for pra protestar, celebre se for pra celebrar. O importante é visibilizar. E não é visibilizar de uma forma sempre festiva. É visibilizar reagindo, na resistência, para mostrar que é uma data que mostra a nossa resistência”, afirma a ativista.

:: Brasil dá resposta fraca ao crime contra pessoas trans, diz estudo que soma 140 mortes em 2021 ::

Quando tudo começou

Keila relembra que o dia 29 de janeiro se tornou simbólico depois do lançamento da campanha “Travesti e Respeito”, do Programa Nacional de DST/Aids na mesma data, em 2004.

“Muitas pessoas, que estiveram no lançamento no dia 29 de janeiro de 2004 e entraram no Congresso Nacional, se emocionaram porque era a primeira vez que estavam podendo entrar naquela casa. Quando a população trans adentra aquela casa para lançar uma campanha tão emblemática decidimos que essa era uma data de visibilidade importante e que deveria ser celebrada nos anos seguintes com toda a visibilidade que hoje tem."

De acordo, com o Dossiê: Assassinatos e Violência Contra Travestis e Transexuais Brasileiras, produzido pela Antra e  pelo Instituto Brasileiro Trans de Educação (IBTE), em todo o ano de 2020, foram 175 assassinatos de pessoas trans. Foi o segundo maior número de toda a série histórica, pouco abaixo dos 179 registrados em 2017.

Em relação à escala global, o Brasil ocupa a posição de líder do ranking mundial de homicídios de pessoas trans e travestis. Segundo o balanço anual realizado pelo Trans Murder Monitoring, 350 pessoas trans foram assassinadas entre 1º de outubro de 2019 e 30 de setembro de 2020. Na primeira posição, com 152 casos reportados, aparece o Brasil. México (com 57 homicídios), Estados Unidos (com 28), Colômbia (com 21) e Argentina (12) fecham as cinco primeiras posições.

:: "Vivo abaixo da linha da invisibilidade", diz ativista trans Sissy Kelly, aos 60 anos ::

Violência se intesificou

Keila destaca que a violência contra a população trans se intensificou ainda mais nos últimos anos.

“A pandemia acirrou a violência. Não só a pandemia, mas todas as variantes que vieram com ela. As declarações do presidente que sempre está propagando violência contra a população LGBTQIA+. Vimos também apresentadores de TV atacando as pessoas trans e isso vai do bojo da cadeia de violência. A sociedade vai percebendo essa cadeia de violência e o cidadão comum se acha no direito de atacar e esse ataque vai até a violência física", denuncia.

A ativista ainda dá um recado: "Não tenha a população trans como seu chaveirinho", e complementa, “Participa da vida dessa pessoa, veja o que essa pessoa precisa, ouve. Chame essa pessoa para a suas festas e comemorações. Inclua essa pessoa na sua vida. Se temos o período de 365 dias no ano, não vamos esperar o 29 de janeiro para fazer alguma ação”.

:: Para marcar Dia da Visibilidade Trans, Programa Bem Viver reforça luta contra transfobia ::

E tem mais...

Ainda nesta edição, o Bem Viver na TV traz uma luta por sonhos e formalização: o Momento Agroecológico fala dos desafios para o reconhecimento profissional em agroecologia.  
 
No Comida de Verdade, a Letícia Massula ensina uma rosquinha de nata que é cheia de afeto e poesia. 

Em Pernambuco, um projeto está formando lideranças para a construção de Sistemas Alimentares Sustentáveis.

No Mosaico Cultural, você vai conhecer o projeto Tankalé, que ensina produção audiovisual para jovens quilombolas, e que virou um acervo online de vídeos. 

O Bem Viver é uma produção do Brasil de Fato Na Rede TVT, que abrange a Grande São Paulo, a produção vai ao ar às 13h30, com reprise no domingo às 6h30 e na terça-feira às 20h. Além disso, tem exibição na TVCom Maceió, na TV Floripa, na TVU Recife, TVE Bahia e nas plataformas online da TV RSul. 

Onde assistir 

Nas redes sociais do Brasil de Fato (Facebook e YouTube); na TVT, no canal 44.1 – sinal digital HD aberto na Grande São Paulo e canal 512 NET HD-ABC; na TVCom Maceió, no canal 12 da NET; na TV Floripa, também no canal 12 da NET; na TVU (Universitária) Recife no canal 40 UHF digital e na TVE Bahia, no canal 30 (7.1 no aparelho) do sinal digital. 

Quando

Na TVT: sábado às 13h30; com reprise domingo às 6h30 e terça-feira às 20h. 

Na TVCom: sábados às 10h30, com reprise domingo às 10h. 

Na TVU Recife: sábados às 12h30, com reprise terça-feira às 21h. 

Na TVE Bahia: sábado às 12h30, com reprise quinta-feira às 7h30. 

Sintonize 

No rádio, o programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista. 

O programa também é transmitido pela Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer. 

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Rodrigo Durão Coelho