Negociação

Guerra na Ucrânia: mediador, governo turco afirma que Kiev e Moscou se aproximam de um acordo

Enquanto isso, Zelensky proíbe atividades políticas de 11 partidos ucranianos e ONU contabiliza 902 civis mortos

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Ouça o áudio:

Segundo a ONU, além dos 902 civis mortos, ao menos 1.459 se feriram
Segundo a ONU, além dos 902 civis mortos, ao menos 1.459 se feriram - Dimitar Dilkoff / AFP

O ministro de relações exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, afirmou, neste domingo (20), que os governos russo e ucraniano estão próximos de um entendimento em relação a assuntos “críticos”.  

Continua após publicidade

O diplomata turco – que viajou a ambos os países em guerra na última semana - disse ainda que, caso nenhum dos lados volte atrás nas conversas feitas até o momento, há motivos para ter esperanças em relação a um cessar-fogo. A declaração foi feita ao jornal diário turco Hurriyet e repercutiu internacionalmente. 

Leia também: Xi Jinping e Biden discutem "responsabilidades" em primeiro contato desde guerra na Ucrânia

No início de março, os responsáveis por assuntos exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e da Ucrânia, Dmytro Kuleba, se reuniram com Cavusoglu na cidade turca Antália. Mais recentemente, o representante do governo da Turquia se encontrou com cada um deles separadamente. 

O porta-voz da presidência da Turquia, Ibrahim Kalin, também afirmou à televisão Al Jazeera que a Rússia e a Ucrânia se aproximam de um entendimento sobre assuntos chaves.  

São eles: a demanda russa de que a Ucrânia não ingresse na Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan); a desmilitarização ucraniana; a retirada de obstáculos para o uso do idioma russo dentro da Ucrânia; e os status da Criméia e das regiões separatistas de Donbas, elencou Kalin.  

Ainda sem perspectiva de encontro entre Zelensky e Putin   

Os países membros da Otan vão se reunir extraordinariamente na próxima quinta-feira (24) para discutir a escalada da guerra na Ucrânia.  

Integrante da Otan, a Turquia faz fronteira marítima com a Ucrânia e com a Rússia por meio do Mar Negro.  

Mantendo boas relações diplomáticas e comerciais com ambas nações, o governo turco tem buscado conquistar um papel de mediação no conflito, que tomou imensas proporções desde a invasão militar russa contra a Ucrânia em 24 de fevereiro.  

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, vem repetindo o apelo para uma reunião entre ele e o chefe de Estado russo, Vladimir Putin.   

Leia também: Os russos apoiam a guerra contra a Ucrânia?

“Esta é a hora de nos encontrarmos, conversarmos, é hora de renovar a integridade territorial e a justiça para a Ucrânia”, postou Zelensky em suas redes sociais neste sábado (19).  

Putin, no entanto, resiste a marcar o encontro.  

Banimento de partidos na Ucrânia 

Neste domingo (20), também por meio de redes sociais, o presidente ucraniano falou sobre a recente decisão do Conselho de Defesa e Segurança Nacional de banir a existência de 11 partidos políticos do país. O motivo alegado é a relação entre eles e a Rússia.  

“As atividades desses políticos que visam a divisão ou o conluio não terão sucesso. Ao contrário, receberão uma resposta dura”, declarou Zelensky. 

A maioria dos partidos cuja atividade política foi proibida são de pequeno porte. Um deles, no entanto, o Plataforma de Oposição pela Vida, tem 44 dos 450 parlamentares do país.  

Ao menos 902 civis mortos 

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, 902 civis foram mortos e 1.459 se feriram desde o começo da guerra.  

Os números foram atualizados neste sábado (19). Eles, no entanto, estão subnotificados já que a equipe da Organização das Nações Unidas (ONU) não conseguiu ainda receber e verificar relatórios referentes a cidades bastante atingidas, como Mariupol.  

A maioria dos civis mortos ou machucados foi vítima de armas explosivas – como bombardeios de artilharia pesada e sistemas de lançamento múltiplo de foguetes -, bem como de mísseis e ataques aéreos. 

Edição: Daniel Lamir