Eleições 2022

Pesquisa eleitoral para o Senado aponta que PT, PL e PSD devem eleger mais parlamentares

Com renovação de um terço do Senado, cinco partidos disputam quem terá a maior bancada

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Pesquisas mostram cenário a dez dias do primeiro turno - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segundo as pesquisas realizadas pelo instituto Ipec no mês de setembro, o PT, PL e PSD são as legendas que devem eleger mais senadores nas vagas em disputa nos 26 estados e no Distrito Federal. Levantamento do Brasil de Fato realizado com as sondagens mais atuais publicadas desde o dia 9 de setembro mostram que as eleições devem modificar o posicionamento das maiores bancadas na Casa.

Continua após publicidade

O PT hoje tem atualmente uma bancada de sete senadores e duas vagas em disputa, contando com quatro candidatos que lideram as disputas além da margem de erro. A situação mais confortável é no Ceará, onde o ex-governador Camilo Santana tem 66%, enquanto a segunda colocada, Kamila Cardoso, tem 13%. No Piauí, o ex-governador Wellington Dias aparece com 46%, enquanto Jair Rodrigues (PP) aparece com 26%, em pesquisa divulgada no dia 12. 

Em Pernambuco, Teresa Leitão tem 32%, à frente dos adversários Gilson Machado (PL), André de Paula (PSD) e Guilherme Coelho (PSDB), todos com 10% cada um. De acordo com o último levantamento do Ipec no Rio Grande do Sul, divulgado na segunda-feira (26), Olívio Dutra (PT) oscilou dois pontos para cima e lidera com 30% de intenções, seguido por Ana Amélia Lemos (PSD), com 24%, e Hamilton Mourão (Republicanos), com 21%.

Outros dois petistas estão em empate técnico na liderança. Ricardo Coutinho (PT) está com 27% na Paraíba, enquanto Efraim Filho (União Brasil) chega a 25%. O embate é ainda mais acirrado no Pará, onde Beto Faro (PT) e Mário Couto (PL) aparecem com 20% cada.

Futuras bancadas no Senado

De acordo com esta projeção, o PT, que tem hoje 7 senadores, passaria a uma bancada entre 9 e 11 parlamentares. Atualmente, o MDB e o PSD têm as bancadas mais numerosas, com 13 e 11 cadeiras respectivamente, mas, segundo o Ipec, a situação deve mudar com a eleição de 2 outubro.

A renovação de um terço da Casa pode fazer com que os emedebistas, que têm quatro vagas em jogo, passem a ter 10 a 11 parlamentares. O único favorito absoluto da legenda é Renan Filho (MDB), que tem 59% em Alagoas, superando Davi Davino Filho (PP), que alcança 21%. No Espírito Santo, Rose de Freitas tem 31% de intenções de voto, ainda empatada com Magno Malta (PL), mas em ascensão segundo os últimos levantamentos, em que ultrapassou numericamente o bolsonarista.

As perspectivas para o PSD são de manter a bancada. Em três estados a legenda lidera: com Raimundo Colombo, em Santa Catarina; Omar Aziz, no Amazonas, e Otto Alencar, na Bahia. Como são três os senadores da legenda que finalizam o mandato agora, os pessedistas ficariam do mesmo tamanho.

O PL, de acordo com as pesquisas do Ipec, deve aumentar sua representação. O partido tem sete senadores, mas duas das suas vagas estão em disputa. Dois candidatos da legenda estão na liderança além da margem de erro e outros cinco estão em situação de empate técnico na liderança. Os favoritos da sigla são Romário, no Rio de Janeiro, e Wellington Fagundes, ambos candidatos à reeleição e com vantagem que supera a casa dos vinte pontos percentuais sobre os segundos colocados.

A legenda tem chances ainda no Distrito Federal, onde Flávia Arruda está empatada numericamente com Damares Alves (Republicanos), cenário similar aos de Pará, Sergipe, Rio Grande do Norte e Santa Catarina.

:: Datafolha: Lula tem 50% dos votos válidos e pode vencer no primeiro turno; Bolsonaro tem 36% ::

Com oito senadores, o União Brasil tem somente um mandato vencendo no final do ano, o de Davi Alcolumbre, que lidera a corrida pelo Amapá, situação similar à de Alan Rick, no Acre. A legenda ainda pode eleger Professora Dorinha, que está à frente no Tocantins, no limite da margem de erro com Kátia Abreu (PP), numericamente em segundo lugar. Na Paraíba, Efraim Filho também disputa a dianteira.

Como ficariam as bancadas

Segundo as pesquisas do Ipec, as bancadas do Senado em 2023 ficariam:

PSD - 11

MDB - 10 a 11

PL - 7 a 12

PT - 9 a 11

União Brasil - 9 a 11

Podemos - 7

PP - 6 a 7

PSDB - 5

PDT - 2 a 3

PSB - 2 a 3

Republicanos - 2 a 3

Pros - 1

PSC - 1

Cidadania - 1

Rede - 1

Edição: Thalita Pires