tramitação

Lula entra em campo em articulações pró-PEC da Transição; texto é protocolado no Senado

"É imprescindível a PEC ser aprovada, sob pena de o país não ter um orçamento adequado ano que vem", afirma relator

Brasil de Fato | Brasília (DF) |

Ouça o áudio:

Senador Jean Paul Prates (PT-RN), senador Marcelo Castro (MDB-PI) e, vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, durante agenda no Congresso no início de novembro - Pedro França/Agência Senado

O relator-geral do Orçamento 2023, senador Marcelo Castro (MDB-PI), protocolou, na noite desta segunda-feira (28), o texto oficial da "PEC da Transição", a proposta de emenda constitucional que acomoda a previsão orçamentária relacionada ao Bolsa Família para o ano que vem. A medida chega ao Legislativo no mesmo dia em que Lula (PT) está presencialmente em Brasília (DF) para tentar alavancar a tramitação e a aprovação do texto.

Continua após publicidade

O petista chegou à capital na noite de domingo para uma série de agendas relacionadas à PEC durante esta semana. O texto está em discussão pela equipe de Lula desde os primeiros dias após a eleição, mas, por conta de um conjunto de divergências, foi apresentado quase um mês depois da vitória de Lula. A versão que chegou nesta segunda ao Senado é a mesma redigida originalmente pela equipe de transição, que foi entregue ao Congresso Nacional no último dia 16, mas ainda na forma de minuta.

Continua após publicidade

"Por que fizemos assim? Porque, inicialmente, a ideia era pegar esse texto, discutir, formar um texto de consenso e apresentar. Como demorou muito a negociação e o prazo está expirando – porque, pra eu fazer o relatório do orçamento, eu preciso da PEC aprovada –, nós combinamos com os líderes partidários que daríamos entrada [no texto] e, à medida que ele for tramitando, nós vamos buscando um texto comum", explicou Castro, ao chegar ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) esta noite para um encontro com Lula e outras lideranças do MDB.

Continua após publicidade

O presidente eleito tenta destravar pontos da negociação relativa ao texto especialmente no Senado, onde a PEC ainda emperra na falta de um consenso entre as bancadas. Na Câmara dos Deputados, a proposta vem encontrando terreno fértil à medida que avançam as negociações entre Lula e o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), que busca a reeleição no posto. Ele costura o apoio do PT para evitar riscos ao plano.  

Continua após publicidade

A PEC protocolada por Marcelo Castro abre uma exceção fiscal para deixar de fora do Teto de Gastos o custeio dos R$ 600 do Bolsa Família e de mais R$ 150 a serem pagos para cada criança de até 6 anos a ser atendida pelo programa durante quatro anos. O custo da política, nesse caso, fica em R$ 175 bilhões, mas ainda não há entendimento conjunto sobre esse ponto nem sobre o prazo em que o Bolsa Família ficaria fora do ajuste fiscal. Alguns senadores defendem que seja apenas por dois anos, por exemplo.

"É claro que tudo isso vai ser fruto de intensas negociações e quem cobre o Congresso Nacional sabe que dificilmente uma matéria entra no Congresso e sai da mesma maneira que entrou. Claro que nós estamos esperando que essa PEC sofrerá modificações até a gente chegar num consenso. Chegando num consenso, a gente submete à votação", disse Castro.   

O texto prevê ainda R$ 22,9 bilhões para investimentos. Assim, o montante orçamentário da PEC fica em R$ 198 bilhões. "E [o texto] permite que as doações para universidades e doações socioambientais possam ser utilizadas e permite também investimentos quando houver excesso de arrecadação limitado a 6,5% da base de 2021, o que daria um valor de, no máximo, de R$ 23 bilhões. Mesmo que esse excesso de arrecadação seja, suponhamos, de R$ 300 bilhões, não seriam investidos mais do que R$ 23 bilhões", acrescentou o relator.

Questionado se acredita na aprovação do texto pelos parlamentares, o emedebista foi enfático ao dizer que a chancela à PEC é "indispensável". "É imprescindível, indispensável. A PEC precisa ser aprovada, sob pena de o país não ter um orçamento adequado ano que vem. É impossível, inimaginável que não tenhamos essa PEC aprovada porque onde é que encontraríamos R$ 70 bilhões para botar dentro do teto dos gastos, que já está furado de todos os lados? Só na Saúde temos mais de R$ 16 bilhões de déficit".  

Tramitação  

A PEC ainda não começou a tramitar – e por isso não tem número específico – por estar aguardando as 27 assinaturas de senadores necessárias. A coleta é feita a partir de uma articulação política conduzida pela equipe dos autores do texto, mas o processo carece de um registro oficial das assinaturas por parte da Secretaria-Geral da Mesa do Senado. Até o fechamento desta matéria havia 12 senadores na lista dos signatários.

Depois que iniciar a tramitação, o texto é despachado para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para depois ir a plenário, onde deverá passará por dois turnos de votação por se tratar de uma alteração constitucional. Somente depois de aval do plenário a medida é encaminhada à Câmara dos Deputados. Nas duas casas são necessários três quintos dos votos do plenário para aprovação do texto.

Edição: Thalita Pires