SImbolismo

Copa no Galpão do MST retoma verde e amarelo como cores de todos os brasileiros

Jogos do Brasil vêm sendo exibidos no Galpão do Armazém do Campo, no centro de São Paulo

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Em clima de festa, política e futebol se misturam em Galpão do MST - Adolar Acácio Brun, Emilly Firmino e Filipe Augusto Peres/MST

Ricardo Moura, de 41 anos, estava de passagem por São Paulo, quando decidiu parar no Galpão do Armazém do Campo, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no centro de São Paulo, para assistir a partida entre Brasil e Camarões, nesta sexta-feira (2). O Festival da Reforma Agrária promovido pelo movimento no Galpão chamou a atenção de Ricardo, e a viagem entre Taubaté e Piracicaba ficou um pouco mais longa que o normal.

Continua após publicidade

“Só estou passando. É a primeira vez que eu venho aqui e eu adorei a feira, muito legal. É importante valorizar esse tipo de ação. Estou aqui justamente para valorizar a galera do movimento”, afirma Moura, que é radialista. 

Sobre a realização do evento, que tenta misturar política e futebol, Moura classifica como “totalmente pertinente, ainda mais na situação que a gente está hoje. Eu acho que tudo é política e transformar todos os encontros em encontros de reflexão é primordial”, diz. 

Na mesma linha, Priscila Alves, de 39 anos, trabalha como professora numa escola próxima ao Galpão e, como saiu mais cedo do emprego, decidiu assistir ao jogo no espaço do MST. Mas não é a primeira vez de Alves no local. “Não é a primeira vez. Eu só vim com o Ilú Oba de Min. Eu faço parte de um grupo de mulheres, que é o Ilú Oba de Min, e a gente já fez alguns ensaios aqui. Inclusive o primeiro ensaio desse ano foi aqui”, relembra.

A professora vibrou com a possibilidade de assistir à exibição do jogo entre Brasil e Camarões no espaço do MST. “Eu acho muito bacana, até para gente ressignificar o verde e amarelo, porque eu mesma tive muita dificuldade em colocar o amarelo depois de tanta coisa que aconteceu. Então acho super importante”.

Já para Stephania Rodrigues, de 30 anos, o que mais chamou a atenção foi a programação paralela à exibição do jogo: oficinas, a feira com alimentos de diversos estados do país e os encontros culturais. Entre os seus amigos, a escolha pelo local foi unânime. 

“Eu acho essencial nesse contexto que a gente está vivendo, ainda mais nesse ano depois de tanto aperto que a gente viveu nos últimos quatro anos, eu acho que toda vez que a gente consegue juntar essas duas coisas a gente tem resultados super positivos”, afirma a pediatra.


Entre o primeiro e segundo tempos, o deputado estadual eleito por SP, Eduardo Suplicy (PT) conversou com os torcedores / Adolar Acácio Brun, Emilly Firmino e Filipe Augusto Peres

Segundo Flavio Campos, professor do Departamento de História da USP e coordenador científico do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas sobre Futebol e Modalidades Lúdicas (Ludens/USP), existe um simbolismo ao acompanhar as partidas da seleção brasileira no espaço do MST, que é o resgate do caráter popular do futebol. 

“O futebol tem uma feição de cultura popular dos setores subalternizados do Brasil, da classe operária, dos camponeses, de todos aqueles que são marginalizados, periféricos. Então o futebol tem uma expressão popular que a gente consegue resgatar aqui, com um setor importantíssimo da sociedade, um setor mobilizado, organizado que tem uma uma estrutura extraordinária como é o MST”, explica o docente que também acompanhou a partida da seleção brasileira no Galpão.

Campos também acredita que existe um simbolismo ao reunir tantas pessoas mais ligadas ao campo progressista da sociedade com camisetas amarelas. “É um símbolo que tem uma potência inclusiva, uma potência integradora, numa chave democrática, apesar de ter sido capturado nesses últimos anos numa chave autoritária excludente, incorporada à extrema-direita", diz.

“O que nós estamos fazendo aqui no Armazém do Campo em diversos lugares do Brasil é resgatar dois símbolos: a camiseta amarela da seleção brasileira e a nossa seleção. A seleção que também é a seleção de todos os brasileiros e brasileiras”, afirma o professor. “Essa refundação democrática, simbolicamente, a gente começa a fazer aqui ao torcer pela Seleção Brasileira de Futebol.”


O espaço do MST ficou cheio de torcedores do Brasil / Caroline Oliveira

Da mesma forma, Ana Chã, integrante do coletivo de Cultura do MST, afirma que o encontro é um momento “importante” para voltar a reunir a população em torno de pautas expressivas para o movimento e símbolos familiares para a população.

Além da feira de alimentos orgânicos, o espaço também conta com uma exposição de fotos de partidas de futebol promovidas pelo MST.

“A gente quis trazer também de como o MST se relaciona com o futebol. Então a exposição quis trazer um pouco dessa relação que se dá em especial nos nossos territórios, nos assentamentos e acampamentos, através da prática, seja ela diária, em qualquer cantinho que exista nos assentamentos, com as peladas da meninada, mas também dos grandes, até um outro universo que são esses jogos que a gente vem construindo aí com os amigos e parceiros do MST", diz Ana Châ.

“A gente quis trazer a oportunidade de ter um espaço onde as pessoas pudessem se reunir para assistir a copa, mas poder ter contato com com essa história, essa memória viva e da relação do futebol com o MST e também hoje aqui com a feira de fazer essa conexão também com o que a gente produz em campo também." 

O MST exibirá todas as partidas da seleção brasileira no Galpão do Armazém, mas o festival da Reforma Agrária, que conta com a feira de alimentos e eventos culturais, segue até o dia 4 de dezembro, o próximo domingo, com entrada gratuita.

Confira a programação

Sexta

14h: Abertura do Galpão para o Festival
14h: Oficina Experiências de Cooperação e Comercialização Digitais
16h: Jogo do Brasil X Camarões (transmissão no telão)
18h30: Ato político de Abertura com parlamentares e aliados

Sábado

8h: Atividades artístico-culturais: cortejos, músicas, intervenções culturais
10h às 17h:
Oficina de materiais recicláveis, com a Unicatadores
Oficina de economia de gás
Oficina de Produção de Fitoterápicos e Fitocosméticos
Oficina de Manejo e Uso de Frutas Nativas da Mata Atlântica, com estudantes da UFFS
15h: Siba
17h: Lançamento do livro Micronutrientes, de Ana Maria Primavesi, pela Expressão Popular, com a participação de Virginia K, biógrafa de Ana, e Carin, filha
18h: As Cantadeiras

Domingo

9h: Debate sobre Cinema e Questão Agrária, com a organização do Festival Entretodos 2022
10h: Conferência pela Alimentação Saudável no Combate à Fome
14h: Teatro: Próxima Cia
15h: Maracatu Ouro do Congo
16h: Pereira da Viola
17h: Nego Bala
18h30: Felipe Cordeiro

Edição: Rodrigo Durão Coelho