À Bolsonaro

Tarcísio de Freitas começa governo com 24 secretários: 19 homens brancos e só 2 negras

Quatro secretarias serão comandadas por militares; ex-filiado ao PT chefiará a pasta de assuntos internacionais

São Paulo | SP |

Ouça o áudio:

Foto de Tarcísio de Freitas com seus secretários. Ao fundo, Inês Coimbra, que comandará a PGE, que não tem status de Secretaria - Foto: Governo de São Paulo

Em seu discurso de posse, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), agradeceu ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por tê-lo alçado à chefia do Ministério de Infraestrutura, cargo que o deu visibilidade e permitiu que disputasse a eleição de 2022.

Na última semana quinta-feira (29), Freitas fechou a formação de seu governo, que terá 24 secretarias, e mostrou que seguirá os caminhos de seu mentor, reconhecido por declarações e medidas racistas e machistas. O secretariado do novo governador será formado por 19 homens, todos brancos, e apenas cinco mulheres, duas delas negras.

Freitas recuou da extinção da Secretaria de Políticas para Pessoas com Deficiência, mas a transformou em uma pasta subordinada à Secretaria de Justiça e Cidadania, mantendo seu secretariado com 24 pastas.

As políticas para pessoas com deficiência ficarão a cargo do advogado Marcos da Costa, que terá como chefe na Secretaria de Justiça e Cidadania o ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, desembargador e ex-integrante do Conselho de Ética da Presidência da República no governo de Bolsonaro, Fábio Pietro.

Continua após publicidade

As duas mulheres negras da gestão de Freitas serão Sonaira Fernandes, que chefiará a Secretaria de Políticas para as Mulheres, e a coronel Helena Reis, que será secretária dos Esportes de São Paulo.

Leia mais: Secretária da Mulher indicada por Tarcísio: "Feminismo é o grande genocida do nosso tempo"

Além das duas, o governo paulista terá mais três mulheres: na Comunicação, Laís Vita, que já fazia assessoria de imprensa de Freitas durante a campanha eleitoral; na Cultura e Economia Criativa, a socióloga Marília Marton, que ocupou o mesmo posto na gestão de Fernando Haddad (PT) à frente da Prefeitura de São Paulo; e Natália Resende, ex-procuradora federal e consultora jurídica no Ministério da Infraestrutura na gestão de Freitas, que chefiará a Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística.

Entre os secretários, estará Lucas Ferraz, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e ex-assessor da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, que foi filiado ao PT por quase 20 anos. Ele se desfiliou em 2016.

Arthur Lima, que chefiará a Casa Civil, também tem longa relação com os petistas. Ele trabalhou no Gabinete de Segurança Institucional (GSI) durante o governo Lula (PT) e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), já no governo Dilma Rousseff (PT), quando conheceu Tarcísio de Freitas.

O secretariado de Freitas terá, ainda, quatro policiais militares. O deputado federal pelo PL de São Paulo, Guilherme Derrite, ex-oficial das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), da Polícia Militar, que comandará a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

:: Tarcísio de Freitas entrega Segurança Pública às polícias e gera temor por "SSP corporativista" ::

Helena Reis (Republicanos), indicada para a pasta de Esportes, é coronel da Polícia Militar e disputou uma vaga de deputada estadual nas eleições de 2022. Ela não foi eleita, mas é uma das suplentes do seu partido na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp).

O coronel da reserva da Polícia Militar Marcello Streifinger comandará a Administração Penitenciária. Ele é ex-comandante da Tropa de Choque e do Centro de Operações da Polícia Militar (Cobom). 

Técnicos, pero…

Apesar de repetir o mantra de Bolsonaro, que gostava de repetir que seus ministros eram apenas técnicos, mesmo quando mantinham laços estreitos com o bolsonarismo mais radical ou eram fruto de indicações políticas, Freitas não resistiu a pressão de aliados da campanha e teve que fatiar seu secretariado.

Para atender Gilberto Kassab, entregou cinco secretarias: Saúde (Eleuses Paiva), Educação (Renato Feder), Governo (Gilberto Kassab) Projetos Estratégicos (Guilherme Affif Domingues) e Cultura e Economia Criativa (Marília Marton).

À família Bolsonaro, principalmente Jair e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), entregou as secretarias de Política para as Mulheres (Sonaira Fernandes), Segurança Pública (Guilherme Muraro Derrite) e Esportes (Coronel Helena Reis).

Paulo Guedes, que foi convidado para ser secretário da Fazenda, mas recusou, mantém forte influência sobre Tarcísio de Freitas e indicou os nomes de cinco secretários: Gestão e Governo Digital (Caio Paes de Andrade – ex-presidente da Petrobras), Desenvolvimento Econômico (Jorge Luis Lima), Assuntos Internacionais (Lucas Ferraz), Fazenda e Planejamento (Samuel Kinoshita) e Parcerias e Investimentos (Rafael Antônio Cren Benini).

Confira todas as secretarias do governo de São Paulo:

Administração Penitenciária: Marcello Streifinger
Agricultura e Abastecimento: Antônio Junqueira
Assuntos Internacionais: Lucas Ferraz
Casa Civil: Arthur Lima
Ciência, Tecnologia e Inovação: Vahan Agopyan
Comunicação: Laís Vita
Cultura e Economia Criativa: Marília Marton
Desenvolvimento Econômico: Jorge Luiz Lima
Desenvolvimento Social: Gilberto Nascimento Jr.
Desenvolvimento Urbano e Habitação: Marcelo Branco
Educação: Renato Feder
Esportes: Coronel Helena Reis
Fazenda e Planejamento: Samuel Kinoshita
Gestão e Governo Digital: Caio Paes de Andrade
Governo: Gilberto Kassab
Infraestrutura, Meio Ambiente e Transportes: Natália Resende
Justiça e Cidadania: Fábio Prieto
Mulheres: Sonaira Fernandes
Parcerias e Investimentos: Rafael Antônio Cren Benini
Saúde: Eleuses Paiva
Secretaria Especial de Projetos Estratégicos: Guilherme Afif Domingos
Segurança Pública: Guilherme Muraro Derrite
Transportes Metropolitanos: Marco Assalve
Turismo: Roberto de Lucena

Outras nomeações

Freitas também divulgou os nomes que comandarão outros órgãos e pastas que não possuem status de secretaria. Destaque para a procuradora Inês Coimbra, quinta mulher a assumir a chefia da Procuradoria Geral do Estado, a primeira negra. Ela já ocupava o cargo, nomeada pelo ex-governador Rodrigo Garcia (PSDB), e sua manutenção no cargo foi garantida pelo bolsonarista.

Confira a relação completa:

Controlador Geral do Estado: Wagner de Campos Rosário
Casa Militar e Defesa Civil: Coronel Henguel Ricardo Pereira
Instituto Butantan: Esper Kallás
Comandante Geral da Polícia Militar de SP: Cássio Araújo de Freitas
Secretário-Executivo da SSP: Delegado Osvaldo Nico Gonçalves
Delegado Geral da Polícia Civil: Artur José Dian
Departamento de Estradas de Rodagem (DER): Coronel Sergio Codelo
Procuradoria Geral do Estado: Inês Coimbra

Edição: Thalita Pires