CONIVÊNCIA

Cinco motivos que fazem de Ibaneis, governador do DF, um dos responsáveis pelo caos no DF

Governador tem sido criticado por escolha de bolsonarista para Segurança Pública e conivência das forças policiais

Brasil de Fato | Brasília (DF) |

Ouça o áudio:

Anderson Torres, ex-ministro de Bolsonaro, ao lado do governador Ibaneis Rocha, do Distrito Federal - LÚCIO BERNARDO JR/AGÊNCIA BRASÍLIA

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), pode ser considerado um dos responsáveis diretos pelas cenas de vandalismo em Brasília (DF), na tarde deste domingo (8). A posição tem sido externada por líderes políticos e movimentos populares que têm se manifestado contra a invasão do Supremo Tribunal Federal (STF), do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto.

Continua após publicidade

O Brasil de Fato listou os cinco principais motivos que colocam Ibaneis como personagem-chave dos acontecimentos na capital federal. O principal deles é a escolha do ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PL), Anderson Torres, para o cargo de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal.

O ex-ministro de Bolsonaro foi um dos integrantes da Esplanada que se manteve mais radicalizado e fiel ao ex-presidente, mesmo diante dos sucessivos ataques à democracia e ao Estado Democrático de Direito. Antes de atuar no governo federal, ele já havia trabalhado no governo do Distrito Federal, também com Ibaneis.

1) Escalou ministro da Justiça de Bolsonaro como secretário de segurança do DF;

O governador Ibaneis Rocha nomeou, na última segunda-feira (2), Anderson Torres para chefiar a SSP-DF. A oficialização ocorreu um dia após a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O nome do ex-integrante do primeiro escalão do governo Bolsonaro não foi publicado na primeira leva de nomeações, no domingo (1º), pois ele não atuou no esquema de segurança da posse de Lula.

2) Polícia Militar do DF escoltou os terroristas em direção à Praça dos Três Poderes;

Entre as inúmeras imagens nas redes sociais dos terroristas bolsonaristas, uma chama a atenção: policiais militares do Distrito Federal escoltaram e conduziram os golpistas até a Praça dos Três Poderes.

3) Forças de segurança não ofereceram resistência aos terroristas na Esplanada;

Golpistas furaram o bloqueio da Polícia Militar na Esplanada dos Ministérios por volta das 15h sem resistência dos profissionais de segurança. Houve uma breve tentativa de impedir a invasão usando o que seria spray de pimenta, mas não foi o suficiente, considerando o pequeno efetivo presente.

Os bolsonaristas então derrubaram a barreira que protegia o local e caminharam em direção ao Congresso Nacional. A postura dos policiais foi bastante criticada nas redes sociais.

4) Autorizou férias de Anderson Torres e viagem aos EUA em semana-chave;

Enquanto Brasília viu a invasão de golpistas aos edifícios públicos, Anderson Torres, o ministro da Segurança Pública do Distrito Federal, está nos Estados Unidos. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, Torres viajou para Orlando, mesmo local onde está Bolsonaro. Ele assumiu o cargo na semana passada e saiu de férias.

5) Folga na tarde de véspera aos atos golpistas

De acordo com as informações da agenda oficial do Palácio do Buriti, na sexta-feira (6), último dia útil antes das cenas de terrorismo, Ibaneis Rocha tirou a tarde de folga. Ele participou de apenas duas reuniões, a última delas antes do meio-dia. Depois disso, não trabalhou mais.

Edição: Glauco Faria