Esequibo

Venezuela sofre revés na Corte Internacional em disputa por território com Guiana

Tribunal disse ter competência para julgar o caso e rechaçou argumentos de Caracas; Esequibo é disputado desde século 19

Caracas (Venezuela) |
Vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, se pronunciou sobre a decisão nesta quinta-feira - Prensa presidencial

A Corte Internacional de Justiça (tribunal da ONU localizado em Haia) determinou nesta quinta-feira (6) que possui competência para decidir sobre a disputa judicial entre a Venezuela e a Guiana pelo controle do território do Esequibo.

Continua após publicidade

A decisão foi um revés a Caracas, pois o governo venezuelano havia solicitado ao tribunal "declarar as pretensões da Guiana como inadmissíveis".

Além da disputa fronteiriça, o caso ganhou importância econômica a partir de 2015, após a descoberta de grandes reservas marítimas de petróleo na costa do Esequibo, estimadas em 11 bilhões de barris. Os poços são explorados pela multinacional energética Exxon Mobile e a produção foi responsável por um crescimento vertiginoso no PIB da Guiana.

Com mais de 160 mil km quadrados, o território do Esequibo está em disputa entre os países desde o século 19. O caso foi levado a Haia pela Guiana em 2018 contra a opinião da Venezuela, que insiste que o tema deve ser resolvido observando um pacto assinado entre Caracas e Londres em 1966, o Acordo de Genebra, quando o Reino Unido reconheceu a demanda venezuelana sobre o território. 

::O que está acontecendo na Venezuela::

À época, a Guiana ainda era uma colônia britânica e passou a ser signatária do acordo após declarar sua independência. O envolvimento de Londres no caso é parte das reivindicações da Venezuela.

A corte, no entanto, declarou nesta quinta-feira que o Reino Unido não possui obrigação em tomar parte na disputa, marcando outra decisão desfavorável a Caracas.

Em pronunciamento, a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, reafirmou que o país segue considerando o Acordo de Genebra como único mecanismo válido para resolver a disputa e disse buscar "uma solução prática e satisfatória para ambas as partes".

::Sem Guaidó, o que falta para EUA e Venezuela retomarem relações?::

"A Venezuela não reconhece o mecanismo judicial como meio de resolução da mencionada controvérsia por quanto exclui a natureza e o objeto desse acordo. A Venezuela avaliará suas implicações de maneira exaustiva e adotará todas as medidas à sua disposição para a defesa de seus legítimos direitos e integridade territorial", disse em comunicado.

Reivindicação histórica

A reivindicação da região por parte da Venezuela é histórica e foi defendida praticamente por todos os governos do período republicano.

A primeira reclamação venezuelana surgiu em 1841 e contou com o apoio dos Estados Unidos. À época, a Guiana ainda era uma colônia do Reino Unido, o que fez com que a disputa envolvesse Caracas, Washington e Londres.

::Petroleiras transnacionais e países do Caribe querem que EUA aliviem sanções à Venezuela::

A primeira resolução viria apenas em 1899, quando um grupo independente de cinco juristas decidiu que os domínios sobre o Esequibo eram britânicos. 

Anos mais tarde, em 1949, a decisão foi considerada fraudulenta e a disputa ganhou novo impulso, passando por diversas tentativas de entendimento como o Acordo de Genebra, de 1966.

Edição: Thales Schmidt