Reflexão

Como a história da Páscoa ressoa nos dias de hoje

É preciso cautela ao tirar qualquer texto antigo de seu contexto e assumir sua visão de mundo como normativa

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Enquanto a crucificação de Jesus está no centro da história da Páscoa, o mesmo acontece com a sua ressurreição dos mortos três dias depois - Pixabay

Traduzido a partir de The Conversation

Continua após publicidade

Em uma palestra pública realizada em março de 2023 , o jornalista Greg Sheridan argumentou que, 40 anos atrás, a imprensa era amigável com os líderes da igreja. Então, tornou-se neutra e agora seria hostil. Sheridan não está sozinho em abraçar esse ponto de vista.

Continua após publicidade

Numerosos cristãos politicamente conservadores afirmam que o mundo agora é anticristão ou que suas liberdades estão sendo restringidas. Ou seja, eles se apresentam como uma minoria perseguida lutando pelo direito de cantar canções natalinas nas escolas, rezar em órgãos governamentais, manter crucifixos em hospitais ou poder exercer discriminação em questões de sexualidade ou gênero.

Continua após publicidade

A retórica que posiciona as pessoas da direita religiosa como vítimas é relativamente nova. De acordo com uma análise acadêmica de 2023 do discurso público, à medida que outros grupos marginalizados na Austrália começaram a alcançar a igualdade, a direita cristã mudou sua retórica de um apelo de maioria moral para reivindicar o status de vítima. Eles se descrevem de formas que revelam uma identidade como um grupo ameaçado, vítimas aparentes de um secularismo que pretende silenciá-los ou destruí-los.

Continua após publicidade

Os cristãos se posicionando como uma minoria impotente é algo tão antigo quanto o próprio cristianismo. Podemos encontrar tais pontos de vista no Novo Testamento porque, naquela época, os seguidores de Jesus eram na verdade um novo grupo religioso minoritário visto com um grau razoável de suspeita. Afinal, eles adoravam um homem judeu vindo de uma cidade obscura e que foi condenado à morte por crucificação sob ordem do governador da província romana.

A crucificação era uma forma de execução reservada para membros não pertencentes à elite da sociedade. Apesar da natureza de sua morte, os seguidores de Jesus afirmaram que ele era Deus e o único merecedor de adoração. Ao fazer isso, eles rejeitaram todas as outras divindades da cultura politeísta circundante. Foi profundamente contra-cultural para o seu tempo.

Embora a crucificação de Jesus esteja no centro da história da Páscoa, também está sua ressurreição dentre os mortos três dias depois. A primeira é historicamente plausível, a última, é claro, uma afirmação de fé central para o cristianismo. A ressurreição de Jesus após sua execução foi vista pelos primeiros cristãos como uma vindicação dele (por Deus) e uma vitória sobre a morte e o próprio mal.

Essas duas dinâmicas – da morte de uma vítima e do poder da ressurreição da morte – estão presentes nas tradições pascais da igreja. Diferentes tipos de cristãos tendem a enfatizar um aspecto da história cristã em detrimento de outro, embora não possam ser separados.

Os textos bíblicos contam essas histórias usando uma variedade de imagens. No Livro do Apocalipse, o último livro da Bíblia, Jesus é retratado como um cordeiro abatido que retorna como um vencedor militar com o poder de derrotar Roma e tudo o que se opõe a Deus. A vítima tornou-se o vencedor. Aquele que era impotente agora tem poder total.

Os primeiros textos cristãos, como o Apocalipse, foram escritos por e para uma minoria oprimida. As visões de Jesus retornando em poder foram projetadas para encorajar a esperança e a perseverança diante do sofrimento às vezes significativo.

:: Artigo | Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema ::

Por causa de seu cenário histórico, esses textos bíblicos podem transmitir uma mentalidade de "nós ou eles", onde os cristãos se veem em guerra com um mundo hostil e mau. Em seu cenário histórico, tal visão de mundo faz algum sentido. Mas há um perigo quando os próprios textos que foram escritos por e para um grupo minoritário são cooptados pelos poderosos.

Foi exatamente isso que Vladimir Putin fez no início de 2022, quando citou esta passagem da Bíblia aos soldados russos em Moscou: "não há amor maior do que dar a própria alma pelos amigos" (uma paráfrase de João 15:13).

Em seu contexto no evangelho de João, isso é algo que Jesus diz a seus seguidores para ajudar a explicar por que ele vai morrer na cruz. Putin usou isso como um grito de guerra para a violenta invasão da Ucrânia pelas forças russas. Ele usou uma declaração sobre a morte de uma vítima da violência do Estado e a transformou em um grito de guerra pela violência do Estado.

Não é surpreendente que os cristãos sejam moldados em sua visão de mundo pelos textos bíblicos que leem. No entanto, é preciso cautela ao tirar qualquer texto antigo de seu contexto e assumir que sua linguagem ou visão de mundo é normativa.

Na tradição cristã, a violência da crucificação foi algo assumido voluntariamente por Jesus por amor ao mundo. Seu status de vítima, se pensarmos nele nesses termos, era uma renúncia voluntária ao poder e uma submissão voluntária às forças humanas para que outros pudessem ter vida. A retórica da vítima que vemos ser usada pela direita religiosa na Austrália, embora baseada em tradições semelhantes de martírio cristão, tem uma dimensão bem diferente.

Embora a sociedade tenha mudado de tal forma que os cristãos conservadores não são mais a maioria moral, eles dificilmente são impotentes ou sem voz. Tais alegações de vitimização também carecem de um senso de autossubmissão de Jesus ao mundo, ou seja, uma adoção voluntária do status de vítima para um bem maior.

:: Páscoa pode carregar o rastro da cadeia produtiva do chocolate com violações de direitos ::

Em vez disso, a ênfase está em ser o tipo de vítima que está sendo atacada por forças anti-Deus e, portanto, luta pela vitória nos reinos político e moral. Tal cosmovisão assume que o mundo é um campo de batalha e Deus está do lado deles. Ele falha em reconhecer outros fora do grupo que são vulneráveis ​​ou oprimidos e busca a vitória para si mesmo.

E quando isso acontece, há um afastamento dramático do caminho da cruz, onde os cristãos veem um homem que morreu para que outros possam florescer e ter vida.

Robyn J. Whitaker é professora associada da Pilgrim Theological College

Edição: Glauco Faria