Pandemia

Brasil registra primeiros casos de gripe aviária em território nacional

Governo informa que registros não alteram condição brasileira de país livre da doença

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Doença foi identificada em aves da espécie Trinta-réis-de-bando no litoral capixaba - © Pedro Behne / Wikicommons

Dois casos de da Influenza Aviária de Alta Patogenicidade (IAAP), também conhecida como gripe aviária, foram registrados no Brasil pelo Ministério da Agricultura (Mapa) e pecuária. A doença foi identificada no Espírito Santo em pássaros da espécie trinta-reis-de-bando, cientificamente chamados de Thalasseus acuflavidus. 

Continua após publicidade

Segundo o Mapa, apesar dos registros, o país se mantém na condição de nação livre da IAAP e o comércio internacional de produtos avícolas não deve ser afetado. 

O Ministério informou que o Serviço Veterinário Oficial (SVO) iniciou as investigações no dia 10 de maio, após receber uma notificação do Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos de Cariacica. Uma das aves foi resgatada em Marataízes e outra em Jardim Camburi, em Vitória, ambas localizadas no litoral capixaba. 

Amostras biológicas foram coletadas pelo SVO e enviadas ao Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de São Paulo (LFDA-SP), unidade de referência da Organização Mundial da Saúde Animal (OMSA). A instituição confirmou que as infeções com o subtipo H5N1.   

Ainda de acordo com o Mapa, o avanço do cenário epidemiológico será determinante para a implementação de medidas sanitárias. O governo deve intensificar ações de comunicação sobre a doença, principalmente para garantir que novos casos sejam notificados imediatamente.  

A influenza aviária é altamente contagiosa e afeta principalmente aves silvestres e domésticas. Atualmente, o mundo enfrenta a maior pandemia da doença já registrada. A maioria dos casos está relacionada ao contato entre aves silvestres migratórias, aves de produção e aves silvestres locais. 

Pessoas podem ser infectadas pelo contato direto com animais contaminados, vivos ou mortos. O consumo de carne e ovos não transmite o vírus. 

 

Edição: Rodrigo Durão Coelho