RESISTÊNCIA

MG: comunidades se articulam contra novo projeto da Vale, que impactará mais de dez municípios

Projeto Serra da Serpentina em Conceição do Mato Dentro terá 18 cavas e mineroduto de 115 quilômetros

Brasil de Fato | Belo Horizonte (MG) |
Imagem ilustrativa de uma Barragem da Vale - Foto: Vale

O Coletivo SOS Doce Santo Antônio, que reúne lideranças comunitárias, movimentos sociais, ambientalistas e acadêmicos, organiza no próximo final de semana, 1 e 2 de julho, o Encontro das Comunidades em Resistência ao Projeto Serra da Serpentina da Vale. A atividade acontece na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, na cidade de Itabira (MG).

Continua após publicidade

O Projeto Serra da Serpentina é um novo empreendimento da mineradora na Cordilheira do Espinhaço, na região da Bacia do Rio Santo Antônio, importante afluente do Rio Doce.

:: Água tóxica: cinco bacias brasileiras contaminadas pela mineração ::

De acordo com os Estudos de Impacto Ambiental do projeto, contratados pela própria Vale, existe uma série de consequências nas áreas onde o empreendimento ocorrerá. As comunidades denunciam que a mineradora não consultou a população local e não apresentou os impactos nas áreas atingidas, inviabilizando a participação social nos processos decisórios.

Em contraponto, o encontro buscará socializar informações e construir estratégias de enfrentamento ao projeto que envolvam as comunidades atingidas. 

:: Receba notícias de Minas Gerais no seu Whatsapp. Clique aqui ::

Serra da Serpentina

O Projeto Serra da Serpentina prevê a instalação de uma lavra a céu aberto em Conceição do Mato Dentro, com capacidade de exploração de 47 milhões de toneladas anuais de minério de ferro bruto, com uma cava principal e 18 cavas satélites, ocupando uma área de 1.950 hectares.

Além disso, será instalado um mineroduto, com extensão de 115 km, até o município de Nova Era, impactando diretamente os municípios de Carmésia, Dom Joaquim, Morro do Pilar, Antônio dias, Santa Maria de Itabira, Santo Antônio do rio Abaixo, São Sebastião do Rio preto, Itambé do Mato Dentro e Passabém.

Leia também: Vazamento da CSN atinge rio que fornece 60% da água de BH; reforma de Zema piora cenário

A atividade começa às 10h no sábado (1), e termina domingo (2), com almoço.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Elis Almeida