VALE DO JAVARI

Acusados de assassinar Bruno e Dom irão a júri popular, decide Justiça

Indigenista e jornalista foram mortos há um ano por se oporem a pescadores ilegais que atuavam na Terra Indígena

Brasil de Fato | Lábrea (AM) |

Ouça o áudio:

Bruno e Dom se transformaram em símbolos da defesa da Amazônia e dos povos indígenas
Bruno e Dom se transformaram em símbolos da defesa da Amazônia e dos povos indígenas - Evaristo Sá / AFP

Três réus no caso dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips serão julgados por um júri popular. A decisão é do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) e foi proferida na última segunda-feira (2). O julgamento não tem data marcada. 

Continua após publicidade

Os acusados, Amarildo da Costa de Oliveira, Oseney da Costa de Oliveira e Jefferson da Silva Lima, viraram réus por duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver em julho de 2022. Os três estão presos e tiveram as prisões preventivas mantidas pelo juiz Wendelson Pereira Pessoa.

A procuradoria jurídica da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), organização para qual Bruno Pereira trabalhava quando foi morto, afirmou que a decisão já era esperada. 

:: Vale do Javari agoniza com os mesmos conflitos que vitimaram Bruno e Dom há um ano ::

"Confiamos na Justiça e nas instituições do Brasil que estão envolvidas na resolução do caso. Aguardamos a continuidade das investigações e pedimos que a justiça seja feita", declarou Eliésio Marubo, procurador da Univaja

Apontado como mandante do crime pela Polícia Federal (PF), o empresário da pesca Rubén Dario da Silva Villar, conhecido como Colômbia, também segue preso. Ele chegou a ser solto após pagar uma fiança de R$ 15 mil, mas voltou à carceragem após violar a liberdade condicional. Ele também é investigado por pesca ilegal e tráfico de drogas, mas nega todas as acusações. 

Relembre o caso

Em junho do ano passado, Bruno Pereira e Dom Phillips se deslocavam de barco até o município de Atalaia do Norte (AM), quando foram emboscados e mortos a tiros por pescadores ilegais, que se opunham à atividade de monitoramento territorial conduzido pelo indigenista. A dupla ficou desaparecida por 10 dias, quando os corpos foram encontrados por indígenas, esquartejados, queimados e enterrados na mata. 

Indigenista licenciado da Funai, Bruno Pereira foi exonerado de um cargo de chefia do órgão indigenista pelo então ministro da Justiça e atual senador Sérgio Moro (União). Ele decidiu então trabalhar diretamente para os indígenas da Univaja, onde chefiava o monitoramento de invasores da terra indígena Vale do Javari. Dom Phillips, jornalista britânico experiente em coberturas na região Norte, acompanhava o trabalho de Bruno, enquanto escrevia o livro Intitulado "Como salvar a Amazônia". 

:: Bolsonaro ofendeu Bruno Pereira e Dom Phillips ao falar em "aventura" e "malvisto"; relembre ::

Após as mortes, Bruno e Dom foram difamados pelo governo Bolsonaro. O ex-presidente declarou que eles morreram durante uma "aventura" e que não tinham autorização da Funai para adentrar a Terra Indígena Vale do Javari. As mentiras foram desmentidas por servidores de carreira do órgão indigenista. No governo Lula (PT), a Funai pediu desculpas formais às famílias das vítimas, e retirou do site uma nota difamatória relativa à morte da dupla. 

Edição: Thalita Pires