Racismo

Torcedor do Boca chama brasileiros de 'escravos, macacos de merda' em entrevista a TV argentina

Caso de aconteceu ao vivo em Copacabana, onde está concentrada a torcida argentina para a final da Libertadores

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Torcedor argentino que cometeu o crime de racismo em Copacabana, no Rio de Janeiro - Foto: Reprodução/TN Argentina

Uma repórter da emissora TN Argentina entrevistava neste sábado (4) torcedores do Boca Juniors na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, quando se deparou com um caso de racismo. O clube argentino, que disputa a final da Copa Libertadores contra o Fluminense no Maracanã na tarde deste sábado, arrastou uma multidão de torcedores para a cidade.

Continua após publicidade

Ao perguntar a um torcedor sobre as brigas constantes entre brasileiros e argentinos na região de Copacabana na véspera da final, o torcedor time portenho respondeu: "Que distúrbios, se eles têm medo? Escravos, macacos de merda."

A transmissão era feita ao vivo e, após as ofensas racistas, é possível ouvir os apresentadores criticando a fala do argentino. A repórter, ao ouvir os impropérios, se afastou do torcedor.

Desde a última quinta-feira (2), o Rio de Janeiro se tornou palco de diversas brigas entre torcedores dos dois times. Nove pessoas foram detidas pela polícia fluminense e levadas até o 13º DP, em Ipanema, zona sul da capital carioca.

A Comembol, entidade organizadora do evento, cogitou transferir a final para outro estádio ou fazer a partida sem torcida. A CBF interveio e garantiu a segurança do evento, que foi mantido no mesmo local e com a presença de público.

A estimativa da imprensa da Argentina é que 50 mil argentinos estejam no Rio de Janeiro para acompanhar a final da Libertadores, muitos deles sem ingressos.

 

Edição: Thalita Pires