LUTA SOCIAL

Movimento de camelôs ocupa prédio público abandonado na região central do Rio de Janeiro

Imóvel do INSS está inativo há cerca de 30 anos; ocupação denuncia a falta de moradia popular no centro do município

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
A ocupação foi batizada de Gilberto Domingos, em homenagem ao camelô morto em um atropelamento em julho deste ano - Foto: divulgação

Na manhã desta quinta-feira (9), o Movimento Unidos dos Camelôs (Muca) ocupou um antigo prédio abandonado do INSS na Lapa, região central do Rio de Janeiro. Segundo o movimento, a ação tem como objetivo denunciar a repressão sofrida pelos trabalhadores informais e a falta de moradia na cidade.

Continua após publicidade

A intenção do Muca com a ocupação é fazer com que os camelôs possam morar no centro da cidade, próximos do trabalho, dando função social a prédios públicos vazios que estão abandonados.

"Não é justo termos que passar metade do dia no transporte para trabalhar. O Reviver Centro propõe trazer moradia popular ao Centro, mas essa moradia não é para pobre. Estamos organizando a nossa própria moradia", ressaltou Maria dos Camelôs, coordenadora geral do Muca. 

Leia mais: MPF comprova interesse da União em criação de moradia popular na Zona Portuária do RJ

A ocupação, localizada na Rua do Riachuelo 48, foi batizada de Gilberto Domingos, em homenagem ao camelô morto em um atropelamento na madrugada do dia 5 de julho, após uma noite de trabalho no Maracanã.

O imóvel do INSS está abandonado há cerca de 30 anos. Em 2010, 60 famílias foram retiradas do edifício após um processo de reintegração de posse. Um muro foi erguido pela subprefeitura do Centro e, desde então, o imóvel segue vazio sem cumprir a função social da propriedade, como manda a Constituição Federal.

O Brasil de Fato procurou a Prefeitura do Rio de Janeiro para comentar o caso. O governo municipal não respondeu até o fechamento da reportagem. O espaço segue aberto para manifestações.
 

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister