'parece piada'

Depoimento de presidente da Enel na Alesp é marcado por falta de energia elétrica

Max Xavier Lins, que comanda a companhia de distribuição de energia em São Paulo, prestou esclarecimentos nesta terça

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Falta de energia marcou a sessão da CPI na Alesp - Reprodução / Erika Hilton/X

Em um episódio que pareceu sair de filme de comédia, a sessão desta terça-feira da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) que investiga as atividades da Enel, empresa responsável pela distribuição de energia na capital paulista e outras localidades do estado, foi interrompida por falta de energia.

Continua após publicidade

As quedas de luz aconteceram no dia em que os deputados receberam o presidente da empresa em São Paulo, Max Xavier Lins. Foram ao menos dois momentos em que houve falhas. O primeiro, minutos antes da reunião começar. O segundo, logo após o início dos trabalhos.

Durante o depoimento, Lins negou que as instabilidades tenham relação com a companhia. Em nota enviada ao Brasil de Fato, a Enel afirmou que "a oscilação de energia na Assembleia Legislativa nessa manhã (14) não tem relação com a rede de distribuição da companhia".

O episódio se tornou um dos mais comentados nas redes sociais nesta terça, especialmente entre pessoas que se posicionam contra a privatização dos serviços públicos, incluindo parlamentares de partidos de oposição ao governo estadual.

A CPI já está em andamento desde maio deste ano, para investigar supostas irregularidades desde a compra da antiga Eletropaulo pela Enel, em 2018. Os trabalhos ganharam mais importância nos últimos dias, depois que milhões de paulistas ficaram vários dias sem luz.

Durante o depoimento de Lins, prefeitos de cidades da Região Metropolitana da capital paulista, convidados a participar da sessão, fizeram duras críticas à atuação da empresa em suas cidades.

O executivo da empresa, que obteve habeas corpus autorizando que ficasse em silêncio, preferiu responder a todas as perguntas. Ele pediu desculpas à população pelo apagão e garantiu que a Enel vai ressarcir todas as pessoas que tiveram prejuízos financeiros.

Além de Max Xavier Lins, está previsto o depoimento do presidente da empresa no Brasil, Nicola Cotugno. Ele é aguardado para participar da sessão agendada para a próxima quinta-feira (16).

O apagão prolongado motivou a criação de outra CPI, desta vez, na Câmara Municipal de São Paulo. No último dia 8, os vereadores capital paulista decidiram abrir investigação sobre a atuação da Enel na maior cidade do país.

Edição: Geisa Marques