JORNADA POR TERRA

Paraná: Campanha Despejo Zero quer garantir que 'nenhuma área seja despejada na virada do ano'

Durante a 20ª Jornada de Agroecologia, no dia 23, está organizada nova caminhada massiva do campo e cidade

Curitiba (PR) |
Durante a 20ª Jornada de Agroecologia está organizada nova caminhada massiva com o tema “Marcha da Agroecologia: Por Terra, Teto, Trabalho, Alimento Saudável e Soberania Popular” - Divulgação

Dia 23 de novembro, durante a 20ª Jornada de Agroecologia, está organizada nova caminhada massiva com o tema “Marcha da Agroecologia: Por Terra, Teto, Trabalho, Alimento Saudável e Soberania Popular”, reunindo as representações do campo e da cidade das cerca de 367 áreas em risco de reintegração de posse no Paraná.

Continua após publicidade

A marcha anterior havia sido no dia 24 de outubro, com participação de cerca de mil pessoas.

O objetivo neste momento é voltar a ter mesa de negociação com governo do Paraná, Ministério Público, Defensoria Pública do Estado, entre outros. A ausência sensível nesses espaços têm sido da prefeitura de Curitiba. O foco dessa agenda são as áreas que, passada a pandemia, apresentam maior risco de despejos, no caso da Tiradentes II (CIC) e Britanite (Tatuquara).

Em 2022, ocorreram as jornadas de lutas por Terra, Trabalho e Teto, que reuniram até 4 mil moradores de ocupações. O lema atual durante o evento da Jornada de Agroecologia é "Terra, Teto, trabalho, Comida e Agroecologia - Só a luta pode garantir nossos direitos até a marcha povo de luta”.

Roberto Baggio, coordenador estadual do MST, que aponta participação de cerca de 2 mil agricultores no ato, resume que a conjuntura nacional é de reconstrução do país, e os desafios para o povo são a conquista do direito ao trabalho, à moradia e à alimentação. “Momento importante de dialogar no sentido do acesso a políticas públicas para ocupações em áreas urbanas”, aponta.

Pedro Carrano, integrante da campanha Despejo Zero e da Frente de Organização dos Trabalhadores (FORT), afirma que é preciso “romper o cerco” do risco de despejo. “Estamos nos fortalecendo em nossa organização, na unidade entre áreas e movimentos, e temos condições de sair da defensiva e propor uma pauta, um projeto que avance para o acesso à moradia digna e regularização das áreas. É preciso ganhar a maioria da sociedade pra essa causa. Estamos no caminho certo”, afirma.

A ordem é ninguém ser despejado


A ideia central é criar uma conscientização junto à sociedade para que nenhuma área seja despejada no Natal e início de 2024 / Oposição Alep

No dia de ontem (13), houve reunião entre integrantes da campanha Despejo Zero e parlamentares da oposição. A ideia central é criar uma conscientização junto à sociedade para que nenhuma área seja despejada no Natal e início de 2024. Ao lado disso, pressionar o poder público e garantir nova audiência em dezembro desde órgãos nacionais, caso da Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU), até a Defensoria Pública do Estado, Ministério Público e Comissão de Conflitos Fundiários do Tribunal de Justiça.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lucas Botelho