programa bem viver

Tom Zé conta como combateu ditadura com humor: 'Nunca deixei de lidar com o que me espanta'

Com 87 anos e preparando novo álbum, artista recebeu, em outubro, premiação italiana por carreira musical

Ouça o áudio:

No ano passado, Tom Zé lançou seu mais recente álbum, Língua Brasileira - Divulgação

“Naquele tempo todo compositor brasileiro do meu ambiente era uma pessoa séria que falava sério que estava defendendo o Brasil contra a ditadura e contra a ditadura só se fala no sério.”

Continua após publicidade

Nos anos de chumbo, Tom Zé percebeu que tinha outro inimigo além dos militares. O músico que recém completou 87 anos relembra que seus colegas artistas tinham uma maneira diferente de combater o regime que perdurou 21 anos no Brasil.

“Como é que eu vou imitar um negócio que tem um mal humor filho da mãe? Existe mal humor pior que o da ditadura?”, questiona em entrevista ao programa Bem Viver desta terça-feira (28).

“Enquanto todo mundo que falava, falava muito grosso, porque tinha que ser muito homem para poder ser contra a ditadura. Eu nunca achei isso.”

Relembra: Tom Zé: “Ô, meu deus, eu só queria um país normal”

A crítica de Tom Zé rendeu uma música, Complexo de Épico presente no álbum Todos os Olhos, que completa 50 anos em 2023.

Todo compositor brasileiro
é um complexado.
Por que então esta mania danada,
esta preocupação
de falar tão sério,
de parecer tão sério
de ser tão sério

:: Fundadora da CUT, compositora Dona Onete, aos 83 anos, tem outro foco: ‘Amazônia em pé’ ::

“E essa era a maneira que eu caia em cima da ditadura. Então quando eu falava mal da ditadura, eu juntava uma coisa qualquer em que a ditadura ficava ridícula, ridícula para uma coisa que gerasse riso”, comenta Tom Zé, lembrando que a música Vai (Menina, Amanhã de Manhã), lançada em 1976 no álbum Estudando o Samba, fazia referência, justamente, a essa forma de criticar com ironia

Tom quem?

O humor sempre foi a alma da composição de Tom Zé. O compositor recém voltou da Itália, onde foi receber o Prêmio Tenco, distribuído desde 1974 para artistas que deram suporte à canção autoral mundial. Tom Zé foi o único artista brasileiro condecorado neste ano.

"As maiores coisas que eu recebi foram prêmios de países de outras línguas”, desabafa o compositor. Segundo ele, sua carreira foi marcada pela falta de reconhecimento dos brasileiros com seu trabalho. Na entrevista, ele relembrou a história que fez com que seu álbum mais famoso, de fato, se tornasse famoso. 

“Eu tinha feito um disco, Estudando o Samba, 1976. E eu falei assim, ‘rapaz, eu tô fazendo um disco bom e é capaz de ninguém dar bola para essa banana’. Então eu resolvi fazer uma armadilha.”

‘Cheguei na gravadora e pedi para influenciar na capa do disco. Eles disseram que está bem, está certo. Ai eu fui com a casa que vende material de construção e comprei umas cordas e uns arames farpados”.


Álbum Estudando o Samba foi lançado em 1976 / Reprodução

:: Carimbó, manifestação cultural que retrata a identidade do povo paraense ::

“Disco de samba realmente se bota uma praia ou a mulher de biquíni, ou sei lá o que”, brinca Tom Zé explicando o estereótipo do qual queria fugir. De fato, o álbum saiu da maneira que o artista montou. Segundo ele, ao chegar em casa, pôs os materiais em cima da mesa e fez uma composição. O desenho que surgiu virou a capa do álbum, adicionando o título na parte superior.

“Eu achei que aquilo era um pedido de socorro”. As coisas mudaram quando uma ajuda internacional que desembarcou, despretensiosamente, no Brasil

“David Byrne [cantor da banda Talking Heads] conta que foi ao Rio de Janeiro, botar um filme dele no festival que tem no Rio de Janeiro. E ele sempre passava em casa de disco para ver o setor de samba e olhar e ter a curiosidade de comprar alguns”, lembra Tom Zé.

“Ele conta que olhou para os discos brasileiros e de repente viu um disco com corda e arame farpado. Ele achou surpreendente aquele negócio, que é samba com corda e arame farpado. Não dava tempo de ouvir, e ele botou na bolsa dele e levou para Nova York. No dia que o viu, se assombrou, saiu perguntando a todo mundo quem conhecia aquele artista, eu no caso.”

“Ele lançou em Nova York e me levou para lá e aí eu comecei a cantar pra todo mundo, e é por isso que eu estou aqui, entende? E o Brasil, que compra jornal do exterior, começaram a acreditar que eu era artista”, brinca Tom Zé.

Nem tão louco

Trabalhando em um novo disco, Tom Zé é baiano de Irará, cidade no interior do estado, próximo a Feira de Santana, mas que vive em São Paulo há décadas, “desde a época do tropicalismo”, lembra.

“Eu aqui me instalei em Perdizes [bairro na Zona Oeste da cidade] onde virou irará da seguinte maneira: todo mundo me conhece mas, ninguém fala comigo só quem fala comigo é uma outra pessoa que toma coragem”.

Segundo o cantor, as coisas mudaram um pouco desde que foi reconhecido como membro da Academia Paulista de Letras, em setembro do ano passado.

:: 'A história do samba também é uma história do trabalho no Brasil', defende Ynaê Lopes dos Santos ::

“Desde que eu entrei na Academia Paulista de Letras de letras aconteceu uma coisa inacreditável: 30% das pessoas começaram a falar comigo. E eu gosto de conversar, eu sou da roça”

“Eu acho que as pessoas achavam que eu era muito louco e ficavam com medo de falar comigo”, divaga Tom Zé. Agora, segundo ele, as pessoas pensam “se ele tá na academia, ele não pode ser tão louco”.

Sobre o novo disco, Tom Zé não abre o jogo. “Eu não posso te dizer, porque se não todo mundo amanhã vai fazer o que eu vou fazer. Até dizer um segredo já é perigoso”, brinca.

A única coisa que revela é que “eu tô trabalhando no disco, onde naturalmente tem uma coisa que o mundo todo tá vendo de uma maneira e que eu tô tentando fazer de como se tivesse mostrando ela nu”.



Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver nas rádios parceiras e plataformas de podcast / Brasil de Fato

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.  

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS); Rádio Cantareira (SP); Rádio Keraz; Web Rádio Studio F; Rádio Seguros MA; Rádio Iguaçu FM; Rádio Unidade Digital ; Rádio Cidade Classic HIts; Playlisten; Rádio Cidade; Web Rádio Apocalipse; Rádio; Alternativa Sul FM; Alberto dos Anjos; Rádio Voz da Cidade; Rádio Nativa FM; Rádio News 77; Web Rádio Líder Baixio; Rádio Super Nova; Rádio Ribeirinha Libertadora; Uruguaiana FM; Serra Azul FM; Folha 390; Rádio Chapada FM; Rbn; Web Rádio Mombassom; Fogão 24 Horas; Web Rádio Brisa; Rádio Palermo; Rádio Web Estação Mirim; Rádio Líder; Nova Geração; Ana Terra FM; Rádio Metropolitana de Piracicaba; Rádio Alternativa FM; Rádio Web Torres Cidade; Objetiva Cast; DMnews Web Rádio; Criativa Web Rádio; Rádio Notícias; Topmix Digital MS; Rádio Oriental Sul; Mogiana Web; Rádio Atalaia FM Rio; Rádio Vila Mix; Web Rádio Palmeira; Web Rádio Travessia; Rádio Millennium; Rádio EsportesNet; Rádio Altura FM; Web Rádio Cidade; Rádio Viva a Vida; Rádio Regional Vale FM; Rádio Gerasom; Coruja Web; Vale do Tempo; Servo do Rei; Rádio Best Sound; Rádio Lagoa Azul; Rádio Show Livre; Web Rádio Sintonizando os Corações; Rádio Campos Belos; Rádio Mundial; Clic Rádio Porto Alegre; Web Rádio Rosana; Rádio Cidade Light; União FM; Rádio Araras FM; Rádios Educadora e Transamérica; Rádio Jerônimo; Web Rádio Imaculado Coração; Rede Líder Web; Rádio Club; Rede dos Trabalhadores; Angelu'Song; Web Rádio Nacional; Rádio SINTSEPANSA; Luz News; Montanha Rádio; Rede Vida Brasil; Rádio Broto FM; Rádio Campestre; Rádio Profética Gospel; Chip i7 FM; Rádio Breganejo; Rádio Web Live; Ldnews; Rádio Clube Campos Novos; Rádio Terra Viva; Rádio interativa; Cristofm.net; Rádio Master Net; Rádio Barreto Web; Radio RockChat; Rádio Happiness; Mex FM; Voadeira Rádio Web; Lully FM; Web Rádionin; Rádio Interação; Web Rádio Engeforest; Web Rádio Pentecoste; Web Rádio Liverock; Web Rádio Fatos; Rádio Augusto Barbosa Online; Super FM; Rádio Interação Arcoverde; Rádio; Independência Recife; Rádio Cidadania FM; Web Rádio 102; Web Rádio Fonte da Vida; Rádio Web Studio P; São José Web Rádio - Prados (MG); Webrádio Cultura de Santa Maria; Web Rádio Universo Livre; Rádio Villa; Rádio Farol FM; Viva FM; Rádio Interativa de Jequitinhonha; Estilo - WebRádio; Rede Nova Sat FM; Rádio Comunitária Impacto 87,9FM; Web Rádio DNA Brasil; Nova onda FM; Cabn; Leal FM; Rádio Itapetininga; Rádio Vidas; Primeflashits; Rádio Deus Vivo; Rádio Cuieiras FM; Rádio Comunitária Tupancy; Sete News; Moreno Rádio Web; Rádio Web Esperança; Vila Boa FM; Novataweb; Rural FM Web; Bela Vista Web; Rádio Senzala; Rádio Pagu; Rádio Santidade; M'ysa; Criativa FM de Capitólio; Rádio Nordeste da Bahia; Rádio Central; Rádio VHV; Cultura1 Web Rádio; Rádio da Rua; Web Music; Piedade FM; Rádio 94 FM Itararé; Rádio Luna Rio; Mar Azul FM; Rádio Web Piauí; Savic; Web Rádio Link; EG Link; Web Rádio Brasil Sertaneja; Web Rádio Sindviarios/CUT.  

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.  

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para ser incluído na nossa lista de distribuição, entre em contato por meio do formulário.

Edição: Rodrigo Durão Coelho