ASSISTA

Bem Viver na TV destaca legado e obra inédita de Carolina Maria de Jesus em entrevista com filha da escritora

Programa traz uma conversa especial com Vera Eunice de Jesus e reportagem sobre o arroz agroecológico do MST

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Vera Eunice, é uma das responsáveis pelos mais de 20 manuscritos deixados pela mãe Carolina Maria de Jesus, que esse mês são lançados em obra inédita - Lucas Webber/Brasil de Fato

Quase 50 anos depois da morte de Carolina Maria de Jesus, seu legado está vivo e muito bem cuidado. A filha da escritora, Vera Eunice, é uma das responsáveis pelos mais de 20 manuscritos deixados pela mãe. Esse material será editado e dará origem a novas obras. Uma delas é O Escravo, que será lançado no dia 11 de dezembro pela editora Companhia das Letras.

Continua após publicidade

"A minha opção é não corrigir o livro da Carolina, é um apanhado sozinho que a gente faz. Às vezes ela começa a escrever aqui e você vê que ela finalizou lá, a gente faz muito pouco, mexe muito pouco, então está bem  original dela mesmo", conta Vera ao Bem Viver, programa do Brasil de Fato, sobre a obra, que de acordo com ela, "briga muito com o português".

"Eu vejo que ela, agora, não de acordo com o nosso português, mas tem muitas palavras cultas demais. Eu estou grifando, isso aqui eu tenho  que procurar e já era pra saber, eu sou formada, já tantos anos trabalhando, e tem palavras que eu tenho que procurar".

Vera é professora, e apesar de já ter idade para se aposentar, não abre mão de estar na sala. "Eu gosto muito de trabalhar na periferia, as minhas escolhas nas escolas sempre são em periferia, porque periferia é onde eu nasci. Eu sinto as crianças passam as mesmas coisas que eu passei. Mas eu tive uma mãe e ali eu sinto muito falta disso nas escolas, porque eu tinha uma mãe que cantava, que ia nas reuniões, uma mãe que lia, que olhava os cadernos, uma mãe presente e eu não vejo isso", afirma.

Ela relembra que ao morrer, Carolina deixou uma carta para ela com pedidos. Entre eles estava o da filha ser professora. Inclusive, a mãe chegou a aprender com ela enquanto fazia as lições de casa de português.

"Minha mãe tinha uma sede muito grande de aprender. Ela sabia das deficiências dela, né? E quando eu disse que minha mãe era semianalfabeta, a Conceição Evaristo já chamava minha atenção. 'Sua mãe vivia no letramento, sua mãe não era semianalfabeta'", explica.

Quando se trata de escrever as próprias obras, Vera se esquiva e diz que "nunca quis". O desejo só se desperta quando se trata da biografia da mãe, já que para ela os biógrafos que tentam contar essa história trazem inverdades sobre a relação com a família, como no cuidado com os filhos e até um casamento. 

"São algumas coisas que eles vão colocando e eu não vou aceitando. Aí eu já estou escrevendo esse livro", conta Vera, que também celebra que o legado e as sementes de sua mãe seguem espalhadas pelo país.

"Conceição Evaristo se espelhou bastante em Carolina. Eliana Alves, Djamila Ribeiro. Agora, eu tenho visto muitas Carolinas. Todo lugar que eu vou eu  vejo muitas Carolinas", conta a filha da autora.

E tem mais...

O arroz agroecológico do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) está brotando em Pernambuco. É o resultado de uma parceria entre o governo do estado e quatro assentamentos, que fazem uma produção experimental.  

No Comida de Verdade, a chef Gema Soto, da Gastronomia Periférica, mostra mais uma vez como estamos próximos culturalmente dos nossos vizinhos venezuelanos. A receita do dia é arroz com leite, muito parecido com o nosso arroz doce. 

O quadro Dica de Saúde mostra como ter um corpo perfeito. Perfeito? Calma, estamos falando de um corpo funcional. 

E tem ainda uma reportagem sobre o papel fundamental dos coletivos de comunicação popular para informar, educar e organizar o diálogo com a sociedade. 

Quando e onde assistir 

No YouTube do Brasil de Fato, todo sábado, às 13h30, tem programa inédito. Basta clicar aqui. 

Na TVT: sábado, às 13h30; com reprise aos domingo (às 6h30) e terça-feira (às 20h), no canal 44.1 – sinal digital HD aberto na Grande São Paulo e canal 512 NET HD-ABC  

Na TVCom Maceió: sábados, às 10h30, com reprise aos domingos (às 10h), no canal 12 da NET.  

Na TV Floripa: sábados, às 13h30, com reprise ao longo da programação, no canal 12 da NET.  

:: Especialistas debatem sobre a importância da Assistência Social no contexto do desastre ::

Na TVU Recife: sábados, às 12h30, com reprise às terça-feira (às 21h), no canal 40 UHF digital.  

Na TVE Bahia: sábados, às 12h30, com reprise quinta-feira (às 7h30), no canal 30 (7.1 no aparelho) do sinal digital.  

Na UnBTV: sextas-feiras, às 10h30 e às 16h30, em Brasília no Canal 15 da NET.  

TV UFMA Maranhão: quintas-feiras, às 10h40, no canal aberto 16.1, Sky 316, TVN 16 e Claro 17.  

Sintonize   

No rádio, o programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.   

O programa também é transmitido pela Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.   

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected].

Edição: Marina Duarte de Souza