Ex-presidente

Defesa de Bolsonaro manifesta 'indignação' com operação da PF sobre tentativa de golpe

Advogados de ex-presidente alegam que ele nunca compactou com rompimento do Estado democrático

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
O ex-presidente Jair Bolsonaro - Alejandro Pagni/AFP

Em nota divulgada nesta quinta-feira (8), a defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro manifestou sua "indignação e incorformismo" com a operação Tempus Veritatis da Polícia Federal que realizou buscas contra seus principais ex-ministros e auxiliares e ainda determinou o recolhimento de seu passaporte. No texto, assinado pelos advogados Paulo Amador da Cunha Bueno, Fabio Wajngarten e Daniel Tesser, a defesa afirma que Bolsonaro "jamais compactuou com qualquer movimento que visasse a desconstrução do Estado Democrático de Direito ou as instituições que o pavimentam".

Continua após publicidade

"A despeito disso, desde março vem sendo alvo de repetidos procedimentos, que insistem em uma narrativa divorciada de quaisquer elementos que amparassem as graves suspeitas que repetidamente lhe vem sendo impingidas", segue o documento. O texto ainda afirma que a entrega de seu passaporte é "absolutamente desnecessária e afastada dos requisitos legais e fáticos que visam garantir a ordem pública e o regular andamento da investigação, os quais sempre foram respeitados".

"A despeito de sua absoluta voluntariedade e disponibilidade em comparecer a todas as convocações feitas por determinação do Supremo Tribunal Federal, foi-lhe determinada a apresentação de seu passaporte, impedindo-lhe, portanto, de realizar quaisquer viagens internacionais", afirma a nota.

Ao Jornal Nacional, as defesas do ex-ministro Anderson Torres e dos ex-assessores de Bolsonaro Tércio Arnaud Thomaz, Filipe Martins e Marcelo Câmara declararam que ainda não tiveram acesso aos autos. Já o ex-comandante da Marinha, almirante de esquadra Almir Garnier Santos, disse à TV Globo que busca sempre fazer o que é certo.

O Brasil de Fato entrou em contato com a defesa de Augusto Heleno, mas foi informado que ela ainda não teve acesso aos autos e que não iria se manifestar enquanto não tiver acesso à investigação. A reportagem não conseguiu contato com os demais investigados.

Edição: Nicolau Soares