COMBATE AO MOSQUITO

Município do Rio abre décimo polo de atendimento para a dengue

Unidade está localizada no Super Centro Carioca de Saúde, em Benfica, e tem capacidade para 120 pacientes

Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |
Desde o início de janeiro deste ano, foram confirmados quatro óbitos pela doença em todo o estado - Foto: Divulgação/Agência Brasil

O município do Rio de Janeiro abriu, na última quarta-feira (14), o décimo polo de atendimento para pacientes com dengue no Super Centro Carioca de Saúde, em Benfica, na zona norte da cidade. A unidade tem capacidade de atender 120 pacientes por dia.

Continua após publicidade

Outros nove pontos estão em funcionamento nos bairros de Curicica, Campo Grande, Santa Cruz, Del Castilho, Bangu, Madureira, Complexo do Alemão, Botafogo e Tijuca para o enfrentamento da epidemia. De acordo com a prefeitura, todos os polos estão preparados para atender pacientes com dengue das 7h às 19h.

Continua após publicidade

Segundo o município, os polos são preparados para o diagnóstico e tratamento das pessoas com dengue, com pontos para hidratação venosa ou oral. O funcionamento das unidades de saúde é de 7h às 19h.

Continua após publicidade

Pacientes com quadros mais graves e indicação de internação são de responsabilidade da Central Municipal de Regulação, que providencia transferência para leitos dedicados à dengue nos hospitais da rede de urgência e emergência do município.

Continua após publicidade

A Secretaria Estadual de Saúde aponta que o estado do Rio mantém a tendência de aumento na transmissão da doença para os próximos meses. O crescimento deve acontecer por mais nove semanas consecutivas. Desde o início de janeiro deste ano, foram confirmados quatro óbitos pela doença em todo o estado.

Sintomas

O Ministério da Saúde orienta que todo indivíduo que apresentar febre (39°C a 40°C) de início repentino e pelo menos duas das seguintes manifestações — dor de cabeça, prostração, dores musculares e/ou articulares e dor atrás dos olhos — deve procurar imediatamente um serviço de saúde, a fim de obter tratamento oportuno.

Segundo o órgão, a atenção deve se manter após o período febril. "Com o declínio da febre (entre 3° e o 7° dia do início da doença), sinais de alarme podem estar presentes e marcar o início da piora no indivíduo":

"Esses sinais indicam o extravasamento de plasma dos vasos sanguíneos e/ou hemorragias, sendo assim caracterizados: dor abdominal (dor na barriga) intensa e contínua; vômitos persistentes; acúmulo de líquidos em cavidades corporais (ascite, derrame pleural, derrame pericárdico); hipotensão postural e/ou lipotímia; letargia e/ou irritabilidade; aumento do tamanho do fígado (hepatomegalia) > 2cm; sangramento de mucosa; e aumento progressivo do hematócrito."

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Edição: Jaqueline Deister