VENEZUELA

Deputados de direita e esquerda concordam que Brasil pode ter sido manipulado por EUA

Parlamentares criticam suposta ajuda humanitária e reafirmam o fracasso da operação de ingerência

Brasil de Fato | Boa Vista (RR)

,

Ouça o áudio:

Donald Trump, presidente dos EUA, maior comprador de petróleo da Venezuela / Jim Watson/AFP

Depois da fracassada tentativa de cruzar com a “ajuda humanitária” para a Venezuela através da fronteira do Brasil em Roraima, parlamentares de direita e de esquerda estão de acordo com uma posição: foi um erro o Brasil ter participado das ações intervencionistas dos Estados Unidos contra a Venezuela no último sábado (23). Os países anunciaram o envio de 200 toneladas de alimentos e medicamentos para o país governado por Nicolás Maduro, mas as duas camionetes que chegaram à cidade de Pacaraima (RR), na divisa com a Venezuela, nunca entraram no país vizinho.

:: O que está acontecendo na Venezuela? ::

Aliado importante de Jair Bolsonaro (PSL), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ofereceu uma declaração à imprensa nesta segunda-feira (25). “Todo mundo sabe que eu fui contra a participação do Brasil nessa ajuda humanitária porque a gente sabia que por trás dessa ajuda humanitária tinha um encaminhamento diferente do meu ponto de vista dos Estados Unidos”, criticou o parlamentar. Ele lembrou ainda que o país não pode ser usado pelos interesses estadunidenses. “Acho que a gente tem que tomar um certo cuidado para o Brasil não ser instrumento de outro país que é grave, que precisa de uma solução, mas que não deve ter a intervenção do governo brasileiro”, concluiu.

Fantoche dos Estados Unidos

Outra voz da direita brasileira que também condenou a participação do governo de Jair Bolsonaro na ação de apoio ao opositor venezuelano Juan Guaidó e dos Estados Unidos foi o senador por Roraima Telmário Mota, do Pros. Em vídeo distribuído pelas redes sociais ele lembrou que a Colômbia e o Brasil foram usados como fantoches dos Estados Unidos. Ele também afirmou que é a favor de uma ajuda humanitária, mas por meio de organizações internacionais como a Cruz Vermelha e pelas agências da Organização das Nações Unidas.

Ele acrescentou ainda que os Estados Unidos não está preocupado com a democracia na Venezuela e nem com os direitos humanos e lembrou que é o governo estadunidense o responsável por separar dos pais e manter presas crianças imigrantes que tentam através da fronteira com o México chegar no país governado pelo presidente Donald Trump. “Ele quer usar o Brasil e a Colômbia para implantar uma guerra para ele ficar achando graça. O problema dos Estados Unidos é geopolítico. Eles querem o petróleo e querem continuar comandando os países do terceiro mundo aqui na América do Sul”, disparou.

Aventura irresponsável

Na esquerda a posição também é de rechaço à decisão de Jair Bolsonaro em participar das ações golpistas no último sábado na fronteira entre Brasil e Venezuela. Líder do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta recordou que a pressão dos setores internacionais para provocar uma intervenção armada na Venezuela não dão trégua. Qualificou que a suposta ajuda humanitária tentou invadir a Venezuela, em referência às duas caminhonetes com alimentos que até hoje permanecem paradas na cidade roraimense de Pacaraima.

“A Venezuela tem que encontrar seu caminho de maneira democrática, pela paz e não pela guerra. O Brasil não pode, de maneira alguma, seguir atuando como um capacho dos interesses norte-americanos, promovendo o conflito e levando o Brasil a uma aventura irresponsável contra o povo venezuelano”, denunciou Pimenta.

Edição: Pedro Ribeiro Nogueira