Coluna

Entenda por que aliança entre Bolsonaro e Juan Guaidó atravessa linha perigosa

Imagem de perfil do Colunistaesd

Ouça o áudio:

Cresce aliança de Bolsonaro com Juan Guaidó, oposição golpista da Venezuela
Cresce aliança de Bolsonaro com Juan Guaidó, oposição golpista da Venezuela - Sérgio Lima / AFP
Fotos recentes mostram Guaidó ao lado de narcotraficantes da Colômbia

O Ministério das Relações Exteriores do Brasil solicitou à Organização das Nações Unidas (ONU) o credenciamento de representantes do líder da oposição na Venezuela, Juan Guaidó, como parte da delegação brasileira que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em Nova York nesta terça-feira (24), em seu discurso de abertura da Assembleia Geral.

Esse fato pode ter passado despercebido e entendido como mais uma forma do governo brasileiro de aumentar a pressão contra o governo de Nicolás Maduro, e sinalizar a Donald Trump que o Brasil segue fazendo seu papel vergonhoso de servir aos interesses dos Estados Unidos (EUA).

No entanto, essa aliança de Bolsonaro com a oposição golpista da Venezuela, representada por Juan Guaidó, atravessou uma linha perigosa para as relações internacionais do governo brasileiro ao virem a público, nos últimos dias, imagens de Guaidó com membros de um grupo de narcotraficantes da Colômbia. Conhecido como “Los Rastrojos”, o grupo controla o comércio de drogas e armas na região fronteiriça e que deu apoio logístico e de segurança para o venezuelano em território colombiano.

O caso das drogas no avião presidencial, as suspeitas de relações comprometedoras da família Bolsonaro com grupos paramilitares no Rio de Janeiro e agora essa notícia do envolvimento do aliado Guaidó com narcotraficantes colombianos podem não ter nenhuma relação entre si, mas cabe a nós ficarmos atentos à essas movimentações.

A imagem do Brasil perante a comunidade internacional segue afetada principalmente pelas trapalhadas de um presidente incapaz, mas é preciso cobrar do Ministro da Justiça Sérgio Moro e do titular do Gabinete de Segurança Institucional, general Heleno, sobre os riscos que esse tipo de relação pode significar para a segurança nacional do nosso país.

Edição: Vivian Virissimo