INTERNACIONAL

EUA | Deputado discursa contra base de Alcântara: “Desumaniza as pessoas nativas"

Democrata critica acordo entre Trump e Bolsonaro afirmando que ele “removerá mais de 800 famílias de quilombolas”

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

O deputado estadunidense Hank Johnson usou a tribuna do Congresso para criticar o acordo entre Brasil e EUA / Foto: Reprodução

O deputado Hank Johnson usou a tribuna do Congresso dos Estados Unidos para criticar o acordo entre Brasil e EUA que prevê o uso da Base da Alcântara, no Maranhão, pelos estadunidenses para lançamento de foguetes e satélites. O discurso ocorreu na última sexta-feira (27).

“Esse acordo entre as administrações de Trump e de Bolsonaro ameaça remover centenas de famílias quilombolas afro-brasileiras de suas terras, deslocando ainda mais comunidades marginalizadas. A Constituição brasileira providencia proteção explícita às terras quilombolas, e Trump e Bolsonaro quebram, descaradamente, desconsiderando essa proteção e tomando posse da terra”, afirmou o parlamentar, que integra os quadros do partido Democrata. 

Johnson insistiu que o acordo prejudica os povos originários de Alcântara. “As expansões anteriores dessa base militar removeram mais de 300 famílias. Uma nova expansão dessa base em terras quilombolas poderá remover mais de 800 famílias de quilombolas das suas terras ancestrais constitucionalmente protegidas”, explicou o democrata, para quem o uso da base “desumaniza as pessoas nativas.”

Representante da Uneafro Brasil, organização membro da Coalizão Negra por Direitos, frente que reúne movimentos negros de todo o país, Douglas Belchior celebrou o apoio do congressista estadunidense. 

“Esse debate não passou pelo Congresso americano. Os congressistas americanos não tinham conhecimento do conteúdo desse acordo. Um grupo de parlamentares ficou horrorizado com as consequências desse acordo para as comunidades afro-brasileiras. Foi fundamental levar esse assunto para lá e internacionalizar esse debate”, explicou Belchior. 

Para o ativista brasileiro, a internacionalização da pauta é importante para que as reivindicações dos quilombolas de Alcântara sejam atendidas. “As nossas demandas não tem eco aqui dentro e a grande imprensa continua ignorando questões raciais como fundamentais no Brasil, internacionalizar e fazer barulho é a estratégia mais importante desse momento”, pontua. 

A Coalizão Negra por Direitos também atua na luta por direitos da população negra brasileira junto ao Congresso Nacional e fóruns internacionais.

Confira o vídeo do discurso do deputado Hank Johnson:

Edição: Vivian Fernandes