Entrevista

Lula: Ou Brasil muda, ou estaremos na mesma situação dos chilenos

Em entrevista ao veículo francês Brut., ex-presidente disse que Bolsonaro não entende as necessidades da população

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

,

Ouça o áudio:

Portal francês Brut. publicou entrevista com o ex-presidente Lula no último dia 5. / Ricardo Stuckert

A América Latina passa por “um novo sopro de democracia”, avaliou o ex-presidente Lula em entrevista ao portal francês Brut. A afirmação é uma referência às manifestações populares no Chile, à volta do peronismo na Argentina e às eleições do Uruguai, que tem a coalizão de esquerda Frente Ampla na disputa do segundo turno. 

Lula acredita que, assim como no Chile, o povo brasileiro se levantará em algum momento: “A democracia não é um pacto de silêncio, é uma sociedade em evolução lutando por mais conquistas”. 

O petista constatou que a sociedade está percebendo que o neoliberalismo não traz soluções para a crise. “Toda vez que alguém neoliberal quer resolver a crise, ele aumenta a crise em cima dos trabalhadores: mais desemprego, menores salários, menos renda. O povo começou a se levantar contra isso”.  

Brasil de volta ao século 19

O ex-presidente lembrou que a Reforma da Previdência do ministro da economia Paulo Guedes foi inspirada no modelo chileno. Segundo ele, esta é uma das piores coisas feitas até o momento pela gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL). 

O líder político afirmou que Bolsonaro está trazendo de volta o trabalho escravo no país. “O trabalhador não tem jornada de trabalho, não tem documento registrado, não tem direito à assistência médica… Daqui a pouco, ele não tem direito à aposentadoria. É o Brasil voltando ao século 19”.

Somado a isso, Lula citou o impacto causado pela saída dos médicos cubanos do programa “Mais Médicos”; e a tentativa de privatização de empresas públicas com algumas das ações mais graves do governo.

Questionado sobre possíveis medidas positivas do atual governo, Lula disse ser difícil responder e advertiu: “[Jair Bolsonaro] deveria estar preocupado com as 210 milhões de pessoas, com a geração empregos. Isso porque, é o emprego que dá cidadania às pessoas. Entretanto, ele fica dando show para os milicianos, os quais ele tão bem representa”.

O ex-mandatário observou ainda que o descaso com a população brasileira está evidenciado na forma como o presidente trata a região amazônica. 

São aproximadamente 25 milhões de pessoas nos estados da Amazônia Legal segundo o Censo Demográfico de 2010 do IBGE. Para Lula, o desenvolvimento da Amazônia deve levar em conta a qualidade de vida das pessoas e o respeito ao meio ambiente.

Confira abaixo a entrevista completa:

Edição: Katarine Flor