Aposentadoria

Onze estados se anteciparam à "PEC Paralela" e já aprovaram reforma da Previdência

PEC ainda vai tramitar na Câmara, mas uma portaria federal força estados e municípios a se enquadrarem até 31 de julho

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
“Os governadores estão fazendo as reformas porque não querem perder ajuda federal", explica economista
“Os governadores estão fazendo as reformas porque não querem perder ajuda federal", explica economista - Foto: Brasil de Fato

Na noite desta segunda-feira (23), o Pará se tornou a 11ª unidade federativa a aprovar a reforma da Previdência estadual, antecipando-se à aprovação da chamada "PEC Paralela" (PEC 133/19), que inclui estados e municípios na reforma nacional em vigor desde 12 de novembro.

Essa Proposta de Emenda à Constituição foi aprovada pelo Senado e ainda precisa tramitar na Câmara. Mas o governo federal editou, no dia 4 de dezembro, uma portaria que fixa prazo até 31 de julho de 2020 para a adesão às normas previstas pelo regime federal.

Entre outras obrigações, os entes precisam estabelecer o aumento da alíquota previdenciária dos servidores para pelo menos 14% e a idade mínima deve ser fixada em 62 anos para mulheres e 65 anos para homens.

O economista Eduardo Fagnani, referência no debate sobre Previdência no Brasil, explica que os estados foram obrigados pelo governo de Jair Bolsonaro, sob pena de perder os certificados de regularidade previdenciária e ficar sem receber repasses voluntários do governo federal.

Continua após publicidade

“Os governadores estão fazendo porque na PEC está dizendo que tem que fazer porque não terá ajuda federal. Não terão direito a financiamento. Esse é o movimento que os governadores estão fazendo agora, porque 2020 é ano de eleição para prefeito.”

Quem já aprovou

Até o momento, com o fim do ano legislativo, os estados que aprovaram a reforma são: Acre, Alagoas, Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Sul.

Goiás e Paraná aprovaram em primeiro turno as reformas, mas aguardam a votação em segundo turno, que deve abrir os trabalhos nas casas legislativas em 2020. No Bahia, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Roraima, Santa Catarina e Sergipe, os projetos ainda tramitam pela casas e não tiveram apreciação do plenário. Em São Paulo, a votação foi interrompida por determinação judicial.

Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Rondônia enviarão o projeto no retorno do recesso das respectivas assembleias legislativas. Amapá, Distrito Federal, Tocantins e Rio de Janeiro não sinalizaram se irão provocar uma reforma em seus estados.

A PEC Paralela

A reforma da Previdência federal, aprovada no fim de outubro, acabou desmembrada durante o debate no Congresso.

A PEC Paralela foi uma manobra proposta pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da reforma, para aplicar as novas regras aos estados e municípios sem que o texto tivesse que retornar à Câmara.

Os servidores estaduais e municipais haviam ficado de fora do texto aprovado pelos deputados e entregue ao Senado. Se os senadores propusessem alterações, a discussão deveria retornar à Câmara, atrasando a tramitação da reforma e contrariando o interesse da base aliada do governo.

Assim surgiu a PEC Paralela, aprovada pelo Senado no dia 19 de novembro, mas que só será apreciada pela Câmara em 2020.

Edição: Rodrigo Chagas