Prova e pandemia

Enem e covid-19: programa Bem Viver discute cuidados para evitar contaminações

Edição entrevistou a médica infectologista Marise Mattos sobre os cuidados e atenção para evitar contaminações

Ouça o áudio:

Enem 2020 está confirmado, apesar de diversas críticas de instituições de ensino, organizações educacionais e de relatos dos estudantes - Foto: Ag.Pará
As pessoas não vão fazer Enem nas condições que gostariam

A manutenção do calendário do Exame Nacional do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 por parte governo federal é um dos destaques do programa Bem Viver desta sexta-feira (15). 

As provas estão marcadas para os próximos dias de domingo, sendo 17 e 24 deste mês de janeiro. A exceção é no Amazonas, onde uma decisão liminar determinou a suspensão do exame.

:: Dias antes da falta de oxigênio em Manaus, bolsonaristas comemoraram fim de lockdown ::

Para entender um pouco do contexto na realização das provas, o Bem Viver entrevistou a médica infectologista Marise Mattos, que é diretora de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina. Ela também atuou por 28 anos na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Rio de janeiro. 

 "Não estamos vivendo uma situação usual, habitual. As pessoas não vão fazer Enem nas condições que gostariam. Passamos um ano aprendendo a ter equilíbrio e controlar as emoções. E agora, no momento da prova, mais do que nunca é o momento de, além de cumprirmos as regras da prova, as regras necessárias para não se contaminar nem levar contaminação para outras pessoas", destacou Marise Mattos, que também já foi professora da na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A médica destacou a importância de cada pessoa fazer a sua parte para evitar contaminação de covid-19 por via aérea ou em superfícies. Ela sugere a imaginação de um raio de distanciamento entre cada pessoa que seja equivalente ao espaço delineado pelos braços abertos.

:: Fiocruz lança site que reúne materiais sobre cuidados com idosos na pandemia ::

Além disso, Marise Mattos alerta para a atenção necessária na quantidade de tempo no uso da máscara, não ultrapassando, por exemplo, mais que três horas com o mesmo equipamento, que é de uso obrigatório.  

As recomendações da entrevistada adentram ainda dicas sobre a escolha da roupa para o momento da prova e atenção para evitar o compartilhamento de objetos, a exemplo de emprestar uma caneta. 

:: Com provas nos dias 17 e 24, Enem escancara desigualdade no ensino e abandono do MEC ::

O Bem Viver também apresentou os protocolos para realização das provas em meio à pandemia do novo coronavírus. 

Situação no Amazonas

O programa abordou também a situação alarmante da segunda onda da covid-19 no estado do Amazonas. Dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) apontam que tanto o número de mortes como o de novas contaminações mais que dobraram nas últimas semanas. Além disso, relatos nas redes sociais narraram a falta de oxigênio nas unidades de saúde, misturando medo, indignação e revolta. 

:: Falta de oxigênio e aumento de mortes por covid forçam toque de recolher em Manaus ::

“Uma situação terrível  que nós temíamos e denunciamos. Nesse momento, faço um apelo a todas autoridades que se unam para que possamos de forma emergencial encontrar solução. Transportar oxigênio de outros estados em caráter de guerra é uma necessidade para salvar vidas”, afirmou o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Vianna. 

A edição atualiza ainda a situação no estado amazonense, em que o poder executivo determinou a requisição administrativa de eventual estoque ou produção de oxigênio de 17 empresas.  

Mata Atlântica 

Por outro lado, o Bem Viver apresentou um dado importante para o meio ambiente. No quadro Momento Agroecológico, a edição anunciou o balanço da coleta de sementes feita pela Rede do Vale do Ribeira (SP) no ano de 2020. Ao todo, foram 750 kg de sementes de 118 espécies da Mata Atlântica. 

:: Semente crioula é sinônimo de resistência para o Vale do Ribeira (SP) ::

O trabalho foi feito por 33 famílias das comunidades quilombolas de Nhunguara, André Lopes, Maria Rosa e Bombas. O compartilhamento de vida botânica foi feito através do método muvuca.

"A muvuca é uma mistura de várias qualidades de sementes que serão levadas para uma região que precisa ser semeada. Geralmente é feita em áreas que não têm árvore nenhuma. Então é uma mistura que junta sementes com areia e coloca no maquinário. Ou se faz na mão mesmo quando não tem maquinário", explica Maria Tereza, que mora na comunidade Nhunguara.     


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: SpotifyGoogle PodcastsItunesPocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Daniel Lamir