Dor e esperança

Covid-19: programa Bem Viver discute o aumento de casos e a aprovação de vacinas

Infectologistas alertavam para a tendência de aumento das contaminações cerca de 14 dias após o início do ano

Ouça o áudio:

vacina de covid
As vacinas estão entre as intervenções em saúde pública de maior impacto já implementadas - Créditos da foto: Reprodução
O que a gente vai encontrar é todo um conjunto de compromisso, de falta de coordenação

O programa de rádio Bem Viver desta segunda-feira (18) faz um balanço geral sobre os fatos mais recentes do novo coronavírus no Brasil. Um dos focos é o aumento de casos de contaminações da doença após o período de festividades de final de ano.

Leia mais: Brasil tem semana com mais casos de covid-19 desde início da pandemia

O programa registra o aumentos nas contaminações da doença nas últimas semanas pelo país, até o total de 8.488.099 casos e 209.847 mortes, informado neste domingo (17) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) 

No quadro Covid-19 na Semana, o médico de família Aristóteles Cardona, da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, afirma que os números do momento já são consequência das aglomerações de fim de ano, mas também sofrem forte influência da resposta insuficiente à pandemia. 

"Quando a gente tenta analisar causas e consequências mais imediatas, não tem como não pensar nos encontros de Natal e de Ano Novo. Mas a gente, definitivamente, não vai encontrar a resposta em situações pontuais. O que a gente vai encontrar é todo um conjunto de compromisso, de falta de coordenação, de falta de atuação e falta de seriedade", avalia o médico. 

Leia mais: Enem: candidatos relatam nas redes que o distanciamento social não foi respeitado

Outro ponto da entrevista foi a possibilidade do Brasil ser o lugar de origem de uma nova cepa do coronavírus. A variante foi identificada pelo governo japonês neste domingo (17). Quatro viajantes que estiveram no Amazonas no fim do ano passado voltaram ao Japão contaminados. Dois dias depois, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmou a informação.

Vacinas 

A edição também garante o espaço para as expectativas com a aprovação de duas vacinas para uso emergencial no Brasil: uma desenvolvida pelo laboratório Sinovac, em parceira com o Instituto Butantan; e outra desenvolvida pela Universidade de Oxford/AstraZeneca, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Leia mais: Covid: para primeira indígena vacinada no Brasil, ciência vencerá "política genocida"

A aprovação foi feita neste domingo (17) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Os dois imunizantes precisam de mais análises e acompanhamento para registro definitivo.

O governo de São Paulo, onde está o Butantan, iniciou a vacinação de profissionais da saúde já neste domingo. Logo que as vacinas foram aprovadas. 

O Bem Viver conta desta segunda-feira conta com o depoimento da enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, uma das voluntárias nos testes. Ela foi vacinada no Hospital das Clínicas, simbolizando a primeira brasileira imunizada e o início da campanha.

"Eu falo com segurança e propriedade. Não tenham medo. É a grande chance que temos de salvar vidas", destacou a enfermeira que atua em duas unidades de saúde que lutam contra a pandemia. 

Leia mais: Com boneco inflável de Bolsonaro, protesto defende vacina em frente à sede da Anvisa

Ao mesmo tempo, o Bem Viver destacou a situação vivenciada em Manaus (AM), com o colapso no atendimento às vítimas de covid-19. Na semana passada, a capital amazonense registrou incapacidade na quantidade de oxigênio nas unidades de saúde para o uso em pacientes.  

Sem-terrinhas 

Um dos temas para além da pauta da pandemia no Brasil e no mundo é o lançamento do livro “Os Sem Terrinha - uma história de luta social no Brasil” no quadro Mosaico Cultural.

Leia mais"Venho falar como sem-terrinha que fui"; advogada relata seu aprendizado no MST

A pauta mergulha na pesquisa feita pela jornalista e historiadora Monyse Ravenna na organização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) com a educação das crianças. 

A publicação envolve temas como comunicação popular, representação da infância na mídia e movimentos populares e foi lançada em dezembro de 2020 pela editora Expressão Popular. 


Produção da Rádio Brasil de Fato vai ao ar de segunda a sexta-feira / Brasil de Fato / Bem Viver

Sintonize

O programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: SpotifyGoogle PodcastsItunesPocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected]

Edição: Daniel Lamir