Bolsolão

Bolsonaro criou orçamento secreto de R$ 3 bilhões em troca de apoio do Congresso

Esquema incluiu aquisição superfaturada em 259% de tratores agrícolas, a pedido de parlamentares ligados ao agronegócio

Brasil de Fato | Caracas (Venezuela) |
Bolsonaro contrariou discurso do passado, aprovando emendas bilionárias sem transparência - Evaristo Sá / AFP

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criou um orçamento paralelo com cerca de R$ 3 bilhões em emendas, no final de 2020, para conseguir apoio do “centrão” no Congresso Nacional. Reportagem publicada pelo jornal Estado de S.Paulo revela que a medida incluía a compra de tratores e equipamentos agrícolas por valores até 259% acima do preço de referência no mercado. Os dados foram encontrados em 101 ofícios enviados por deputados e senadores ao Ministério do Desenvolvimento Regional.

Continua após publicidade

Os ofícios, obtidos pelo jornal ao longo dos últimos três meses, mostram que esse esquema também atropela leis orçamentárias, já que são os ministros e não os parlamentares que deveriam definir onde aplicar os recursos.

:: Raio-x: liberais, ruralistas e donos de emissoras dominam 9 de 13 comissões do Senado:: 

Os acordos e o direcionamento do dinheiro não foram públicos, assim como a distribuição não foi igual entre os congressistas, evidenciando um interesse eleitoral do governo.

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), por exemplo, determinou a aplicação de R$ 277 milhões de verbas públicas só do Ministério do Desenvolvimento Regional, assumindo a função do ministro Rogério Marinho. Se fosse liberar a verba pelas vias convencionais, o ex-presidente do Senado tardaria 34 anos, já que cada parlamentar tem direito a direcionar apenas R$ 8 milhões ao ano.

Alcolumbre enviou R$ 81 milhões à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), estatal sob seu controle.

Leia também: Componente político une catástrofes no Brasil e na Índia

Os documentos ainda mostram que o senador destinou R$ 10 milhões para obras e compras fora do Amapá. As máquinas seriam destinadas a prefeituras para auxiliar nas obras em estradas nas áreas rurais e vias urbanas e também nos projetos de cooperativas da agricultura familiar no Paraná.

Sem questionar, o governo concordou em comprar as máquinas por R$ 500 mil, quando o preço de referência era R$ 200 mil.

Também são citados os nomes dos deputados Vicentinho Junior (PL-TO), Ottaci Nascimento (SD-RR), Bosco Saraiva (SD-AM), Lucio Mosquini (MDB-RO) e da ex-deputada Flávia Arruda (PL-TO), hoje ministra-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, responsável justamente pela articulação com o Congresso.

Nas redes sociais, usuários começaram a denunciar que não se trata de um orçamento secreto, mas sim de um "Bolsolão", um bolo de recursos que o presidente da República utilizou para comprar o apoio de parlamentares. 

 

Edição: Vinícius Segalla