Slow food

No restaurante de Bela Gil, Lula recebe apoio de lideranças da luta por "comida de verdade"

Evento nesta quinta (24) debateu reforma agrária e o desmonte das políticas públicas voltadas à alimentação saudável

Brasil de Fato | Porto Alegre (RS) |
Encontro ocorreu em jantar organizado no restaurante Camélia Ododó, em São Paulo (SP)  - Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou, nesta quinta-feira (24), de um jantar organizado por militantes da alimentação saudável, no restaurante Camélia Ododó, da nutricionista e apresentadora Bela Gil, em São Paulo (SP). O encontro debateu o combate à fome, políticas em defesa da soberania e segurança alimentar e marcou a declaração pública de apoio do grupo à candidatura de Lula (leia a carta aberta).

Continua após publicidade

“O Brasil precisa entrar num novo tempo. É preciso popularizar. É preciso tirar o conceito de alimentação saudável/orgânica da boca dos especialistas para a boca do povo”, afirmou o ex-presidente. Ele defendeu que a alimentação saudável esteja em pauta tanto quanto assuntos como emprego e educação.

A anfitriã Bela Gil defendeu a reforma agrária como forma de incidir também nas questões ambientais e de saúde pública e ressaltou que a fome é um projeto político que retira das pessoas a autonomia para fazer escolhas alimentares adequadas.

“Democratizar a alimentação significa democratizar a terra. O Brasil é um dos países com maiores índices de concentração de terra, resgatar a reforma agrária é fundamental”, disse.

Além da própria Bela Gil, da chef de cozinha Bel Coelho e de integrantes da comunidade Levante Slow Food Brasil, estiveram presentes lideranças como João Paulo Rodrigues, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Regina Tchelly do projeto Favela Orgânica, Denise Cardoso, presidente da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), Lina Luz da Escola de Gastronomia Social do Ceará, Marcos José de Abreu (Marquito), ambientalista e vereador pelo PSOL em Florianópolis, e Juliano de Sá, presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) do Rio Grande do Sul.


Registro do encontro realizado no restaurante Camélia Ododó, em São Paulo (SP) / Foto: Ricardo Stuckert

"As participações demonstraram a diversidade de experiências locais brasileiras comprometidas com as lutas pela garantia do direito humano à alimentação adequada para a população brasileira", avaliou a integrante da rede Slow Food Brasil, a nutricionista Bruna Crioula.

Ela explica que a defesa da "comida de verdade" é uma bandeira comum na mobilização social para promover mudanças radicais nos sistemas alimentares e que, no encontro, um dos objetivos foi garantir o compromisso do ex-presidente com o fortalecimento da agricultura familiar agroecológica e/ou orgânica.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko