ASSISTA

"Povos indígenas, com terras demarcadas, salvam vidas", afirma Alva Rosa no Bem Viver na TV

Programa traz uma edição especial dedicada aos direitos, identidade e resistência dos povos indígenas

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |
Bem Viver na TV traz a importância da luta, ancestralidade e resistência dos povos indígenas para o bem viver de toda sociedade. - Reprodução

O dia 19 de abril é conhecido no país como "dia do índio", mas essa data criada há quase oitenta anos não traduz os anseios dos povos indígenas. Para eles o termo que não representa a diversidade dos mais de 300 povos existentes no território nacional, de acordo com o censo do IBGE. Por isso que esse período foi transformado no abril indígena, um mês de mobilização por direitos e pela garantia do bem viver. 

Continua após publicidade

Nesta edição o programa Bem Viver na TV, produzido pelo Brasil de Fato, mostra um pouco dessa história de luta e resistência e como ela é essencial para toda a sociedade, país e para o mundo.

Veja também: Bem Viver na TV destaca a luta por Reforma Agrária Popular; assista

"Se não fossem as terras indígenas demarcadas, vocês sabem muito bem, o Brasil já seria praticamente um campo. Algumas pessoas falam que os indígenas atrapalham por não compreender. Pelo contrário, os povos indígenas, com suas terras demarcadas, salvam vidas, não só no Amazonas, mas em todo o mundo", alerta a professora e liderança do povo Tukano, do Amazonas, Alva Rosa, em entrevista ao programa.

Entretanto, diversos ataques invisibilizam e promovem a violência contra essa população. Os conflitos por terra é um dos principais problemas que estes povos sofrem. O relatório Conflitos no Campo Brasil 2021, divulgado nesta segunda-feira (18) pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), mostrou que o garimpo ilegal foi uma das principais causas da violência no campo em 2021 contra os indígenas, sendo responsável por 101 das mortes por conflitos contra este segmento da população.

Confira: "A cura dessa Terra passa pela mão das mulheres", afirma Txai Suruí no Bem Viver na TV 

“É um governo que vem nos perseguindo desde o começo do mandato e estamos aqui para mostrar que estamos vivos, resistindo e somos todos contra esse governo [Bolsonaro] genocida e etnocida que vem tentando acabar com o nosso povo”, denuncia Patricia Kamayura, artista do Amazonas, a reportagem do Momento Agroecológico, que trouxe um panorama da luta indígena no país.

Apesar de todas as ameaças aos indígenas, que são denunciadas nas diversas manifestações nacionais que tem ocupado Brasília e seus territórios, estes povos com o protagonismo de mulheres e jovens indígenas têm mostrado a força, resistência, saberes ancestrais e culturas presentes na diversidade brasileira. 

O Mosaico Cultural traz uma dessas ferramentas de resgate cultural e protagonismo indígena: a moda e artesanato.

A artista e elitista We’ e’ ena Tikuna, uma das primeiras indígenas a construir uma grife, fala da importância da moda para "descolonizar". 

Veja mais: "Camponesas não produzem só a comida, mas produzem uma cultura", afirma Michela Calaça

"O momento de cuidar da nossa identidade, do nosso corpo, do nosso vestimento, do nosso eu, é hoje. Então quando se fala descolonizar é falar da moda indígena. Nós não precisamos de tecido do homem branco. A gente tem o nosso próprio tecido, que é o tecido tururi. Ele vem de uma fibra natural que a natureza nos dá. Essa pra nós a gente usa já milenar mesmo dos povos de Xicuna", afirma We’ e’ ena.

No mesmo sentido acontece a primeira Mostra Intercultural de Moda Indígena', pioneira na história e um dos destaques do abril indígena em Manaus (AM), também presente na reportagem. São peças de 29 estilistas e 37 modelos indígenas que carregam beleza e contam histórias.

"É uma tradição de cada etnia, que elas são diferentes, são costumes e culturas diferentes. Ancestralidade, porque esse conhecimento ancestral que é passado e também tem uma questão espiritual, metafísica, de sagrado naquilo que eles produzem, isso a gente percebeu muito forte e não é algo assim que eles produzem para vender. Eles vendem sim, porque é uma fonte de renda pra comunidade, mas existe o sagrado também envolvido", relata a idealizadora da mostra, Rebeca de Oliveira Ferreira.

O programa é uma produção do Brasil de Fato, exibida na Rede TVT, que abrange a Grande São Paulo. A produção vai ao ar sábado às 13h30, com reprise no domingo às 6h30 e na terça-feira às 20h. Além disso, tem exibição na TVCom Maceió, na TV Floripa, na TVU Recife, na TVE Bahia e nas plataformas online da TV RSul. Veja a programação!

E tem mais...

A gente ainda fala de comida. Letícia Massula, do Blog Cozinha da Matilde, ensina uma receita inusitada, mas muito gostosa de salada de feijão com manga. Além de saber os nutrientes e benefícios da manga sem veneno produzida na Bahia. 

Confira todos os ingredientes e passos da receita:

Salada de feijão com manga, cebola roxa, coentro, hortelã e rúcula
Rendimento: 2 porçoes
Tempo de preparo: 30 minutos

Ingredientes
2 xícaras (chá) de feijão cozido ao dente
1 manga em cubinhos – se for a palmer pode ser com casca
1 cebola roxa pequena em cubinhos
2 colheres (sopa) de talos de coentro
Um punhado de folhas de hortelã e de coentro pra finalizar
Um punhado de agrião ou rúcula pra finalizar
1 colher (sobremesa) pimenta em flocos – opcional
Limão
Azeite
Sal

Modo de preparo:
Deixe o feijão de molho na véspera pra ele hidratar, ficar macio e cozinhar sem necessidade de panela de pressão, assim você vai poder controlar o tempo de cozimento dele e deixar ao dente, ou seja, sem estar molenga a ponto de desmanchar.

Cozinhe o feijão em água com uma folha de louro. Quando estiver ao dente, deixe esfriar e escorra na hora de usar na salada, evitando que fiquem ressecados.

Em uma tigela coloque o feijão, os cubinhos de manga, cebola roxa, talinhos de coentro e a pimenta. Misture e tempere com limão, azeite e sal.

Experimente o sal. Passe pra uma travessa e finalize com as folhas de agrião, coentro e hortelã. Está pronta!

Confira outras dicas para preparar o prato no Bem Viver na TV.

Onde assistir 

Nas redes sociais do Brasil de Fato (Facebook e YouTube); na TVT, no canal 44.1 – sinal digital HD aberto na Grande São Paulo e canal 512 NET HD-ABC; na TVCom Maceió, no canal 12 da NET; na TV Floripa, também no canal 12 da NET; na TVU (Universitária) Recife no canal 40 UHF digital e na TVE Bahia, no canal 30 (7.1 no aparelho) do sinal digital. 

Quando

Na TVT: sábado às 13h30; com reprise domingo às 6h30 e terça-feira às 20h. 

Na TVCom: sábados às 10h30, com reprise domingo às 10h. 

Na TVU Recife: sábados às 12h30, com reprise terça-feira às 21h. 

Na TVE Bahia: sábado às 12h30, com reprise quinta-feira às 7h30. 

Sintonize 

No rádio, o programa Bem Viver vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo e 93,3 FM na Baixada Santista. 

O programa também é transmitido pela Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer. 

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: [email protected].

Edição: Daniel Lamir