Economia

Em fórum econômico russo, Venezuela defende abandonar dólar como moeda do comércio de petróleo

Para Caracas, depender menos da moeda estadunidense serviria para reduzir impacto das sanções impostas por Washington

Caracas (Venezuela) |
'É tarefa fundamental a criação de novos canais de pagamentos', disse Delcy Rodríguez - Prensa Presidencial

A vice-presidenta da Venezuela, Delcy Rodríguez, participou nesta quinta-feira (15) do Foro Econômico Internacional que ocorre em São Petesburgo, na Rússia. Rodríguez destacou o papel do Brics na economia mundial e falou sobre a possibilidade de realizar transações petroleiras em outras moedas que não sejam o dólar.

Continua após publicidade

"Por que devemos negociar no mercado petroleiro só com uma moeda que apenas representa um quinto do total do comércio internacional de energia?", questionou. 

::O que está acontecendo na Venezuela::

A vice-presidente citou como exemplo as declarações dadas pelos presidentes Nicolás Maduro e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante a visita do mandatário venezuelano ao Brasil, na qual ambos cogitaram criar iniciativas para escapar da hegemonia do dólar.

"Começamos a ver países árabes, países do Golfo, que começam a vender seu petróleo e seu gás em moedas distintas ao dólar", afirmou.

::Com Maduro, Lula critica sanções dos EUA contra Venezuela e defende expansão do Brics::

Rodríguez também classificou como uma "tarefa fundamental" a criação de "novos canais de pagamentos diferentes da rede criada pelo SWIFT estadunidense" — o sistema de transações parou de funcionar na Rússia em represália do Ocidente após o início da guerra na Ucrânia. Por isso, Moscou e Pequim começaram a sugerir a possibilidade de utilizar mecanismos alternativos.

Sanções e pagamentos

Desde que os EUA endureceram as sanções contra a indústria petroleira da Venezuela, o país enfrenta diversas dificuldades para receber e realizar pagamentos no exterior. 

O bloqueio de contas internacionais relacionadas a negociações que envolvem a PDVSA, empresa estatal venezuelana, se tornaram ainda mais frequentes e obrigaram Caracas a buscar formas alternativas de pagamentos, como o uso de criptomoedas ou o envolvimento de terceiros nas transações.

::Qual a relação do bloqueio com as suspeitas de corrupção na estatal petroleira da Venezuela::

As sequelas desses obstáculos vieram à tona nos últimos meses quando o Ministério Público venezuelano começou a investigar um suposto escândalo de corrupção na PDVSA. Segundo as autoridades, um grupo de funcionários da empresa teria desviado verbas provenientes de recursos petroleiros e comprado criptoativos para ocultar a origem desses fundos.

Edição: Thales Schmidt